'Nunca sumi ou neguei tratamento! Não sou nenhum drogado', diz Diogo Vitor no Santos, afastado por doping

Gabriela Brino
LANCE!

- Não sou nenhum drogado - afirmou Diogo Vitor.

26 de abril foi o dia em que a vida de Diogo virou de cabeça para baixo. O atacante foi flagrado no exame antidoping na partida contra o Botafogo-SP, na Vila Belmiro, pelas quartas de final do Campeonato Paulista. A substância diagnosticada no organismo era dos metabólitos da cocaína.

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

Desde então, o atacante de 21 anos teve o auxílio da diretoria do Peixe e de seus empresários. Porém, acabou envolvido em algumas polêmicas, como abandonar e negar o tratamento e sumir, sem dar satisfações. Mas de acordo com Diogo, não foi o que aconteceu.

O Menino da Vila fez sessões de tratamentos particular e seguirá se tratando para retornar ao futebol. O momento é de "volta por cima".

- Nunca dispensei tratamento, me afastei da mídia a pedido dos meus empresários, mas sempre estive acompanhando tudo. Só gostaria que a mídia parasse de divulgar informação falsa, eu nunca sumi ou neguei tratamento. E quero voltar a jogar bola e dar alegria para o Santos. É isso - disse em entrevista ao LANCE!.

- Não é fácil passar por isso. É o momento mais difícil que estou passando. Muitas pessoas se afastam... eu não sou nenhum drogado. Todos apontam o dedo, mas eu errei mesmo. Vou fazer o que? Vou dar a volta por cima. Eu errei e foi só aquela vez. Eu quero mostrar para o Santos e para todos que me apoiaram que eu posso e vou retribuir isso, podem esperar - emendou.

Leia também:
– Léo Jabá sonha com Seleção: 'Tite me conhece'
– ‘Meio do ano e o Vasco não achou time', diz Mauro Galvão
– Edmundo critica saídas de Éverton e Guerrero no Fla

Em entrevistas recentes, o presidente José Carlos Peres havia citado a dificuldade no contato com Diogo e sobre ele se negar ao tratamento. A dupla se reuniu na última quinta-feira, em São Paulo, para debater o assunto.

- Queríamos que ele fizesse um tratamento, mas ele não quer. Você não pode obrigar o cara a se tratar. Estou chamando para ele vir conversar, mas estamos sem contato. Ele não está aceitando esta forma de approaching (aproximação) da gente. Temos de mudar, mandar uma psicóloga atras dele - disse em entrevista ao Globoesporte.

Dono do empate contra o Corinthians, em 1 a 1, pelo Campeonato Paulista, Diogo se apega na torcida para retomar, assim como na comemoração de seu gol. Suspenso, ele ainda não pode frequentar as dependências do CT Rei Pelé, pois a FIFA proíbe o atleta de entrar no clube enquanto cumpre a suspensão.

Na Área com Nicola - Peixe gasta demais com comissões

Leia também