Após aposentadoria, Cláudia Gadelha migra para o desenvolvimento de atletas do UFC

Após aposentadoria, Cláudia Gadelha trabalha com desenvolvimento de atletas no UFC (Foto: Steve Marcus/Getty Images)
Após aposentadoria, Cláudia Gadelha trabalha com desenvolvimento de atletas no UFC (Foto: Steve Marcus/Getty Images)

Cada vez mais o esporte de alta performance é atrelado ao grande trabalho de inúmeros profissionais atrás das cortinas para que o atleta possa fazer estar completamente preparado para ter o melhor desempenho possívei. Nos últimos cinco anos, o UFC tem investido bastante para oferecer tais condições a lutadores e recentemente, um nome brasileiro bem conhecido dos fãs de MMA tem participado ativamente da investida.

Após se aposentar no fim de 2021 por causa de sequelas de uma concussão sofrida em uma luta, Claudia Gadelha se juntou ao staff do Instituto de Performance do UFC em Las Vegas, aberto em março de 2017, instalações que ela mesma usou para se preparar quando ainda estava na ativa.

Leia também:

“Eu estava no Novo México e quando descobri que iriam abrir um instituto voltado para ciência do esporte, eu resolvi me mudar para Las Vegas e vinha para cá todo dia. É basicamente a Disneylândia do lutador”, relembra Gadelha em entrevista ao Yahoo Esportes.

Enquanto Claudia ainda lutava, vários lutadores perguntavam sobre o instituto, então ela passou a ser basicamente uma embaixadora não-oficial do local. Até que após a aposentadoria, ela passou a integrar oficialmente oficialmente o quadro de funcionários da companhia, algo que só outros dois ex-lutadores fizeram, Forrest Griffin e Rodrigo Minotauro.

“O meu trabalho aqui hoje é dirigir o desenvolvimento de atletas em relação ao objetivo deles. Se o atleta tem objetivo de melhorar a performance física, por exemplo, eu vou saber exatamente para onde encaminhar ele para melhorar a performance física. Um atleta que chegar com queixa de programas de nutrição ou que não está entendendo como se alimentar para os treinos ou como fazer o corte de peso, eu vou saber exatamente para onde encaminhar esse atleta”, detalha Cláudia.

O instituto também trabalha com várias outras áreas do desenvolvimento dos atletas, como psicologia e até financeiramente, permitindo que eles entendam melhor como administrar a carreira.

Uma das pioneiras entre as mulheres do UFC, Cláudia relembra das dificuldades que teve para chegar ao máximo nível do MMA e comemora bastante poder ajudar na trajetória de lutadores e lutadoras.

“Para mim, é uma vitória que os atletas hoje têm essa ajuda e a vitória é maior ainda porque eu estou descobrindo agora que existe outras maneiras de vencer na vida”, reflete a ex-lutadora. “Quando eu vejo um atleta que passou por aqui conquistando o objetivo dele, eu também comemoro”.

No momento, o principal sonho de Cláudia é conseguir ajudar mais o desenvolvimento de atletas no Brasil, trazendo um instituto de performance da companhia para o país.

“Cerca de 20% dos lutadores do UFC hoje são brasileiros e creio que podemos fazer um trabalho de base para que eles possam chegar aqui cada vez mais preparados para lutar em alto nível”, afirmou Gadelha.

Além do instituto em Las Vegas, o UFC abriu uma segunda unidade em Xangai, na China, em 2019. O espaço foi usado não só pelos lutadores locais, mas também por atletas se preparando para os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2021, e Pequim, no início deste ano.

O momento do Brasil no UFC

Cláudia se diz satisfeita com o momento do Brasil no esporte, mas que existe uma grande preocupação: o alto número de testes positivos para doping.

“Não é nem uma questão de anabolizantes ou coisas mirabolantes, mas sim por falta de educação de base, com atletas consumindo suplementos manipulados que vêm com coisas que você não pode tomar. É diferente aqui dos Estados Unidos, onde você tem produtos que atendem uma lei de pureza”, lamenta Gadelha.

Atualmente, o Brasil tem quatro detentores de cinturões: Deiveson Figueiredo (peso mosca), Amanda Nunes (peso pena), Charles ‘do Bronx’ (peso leve e Glover Teixeira (peso meio-pesado). Do Bronx defenderá seu cinturão neste sábado (7), em Phoenix (EUA), enfrentando o ex-campeão interino da categoria, Justin Gaethje.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos