Após 27 anos, Brasil muda posição sobre o embargo à Cuba e vota a favor

(AP Photo/Amr Nabil)
(AP Photo/Amr Nabil)

O Brasil votou contra a resolução da Organização das Nações Unidas que condena e pede o fim do embargo norte-americano a Cuba, alterando uma posição diplomática adotada desde 1992, quando a ONU votou pela primeira vez pela condenação ao embargo.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A mudança se deve mais à tentativa do governo de Jair Bolsonaro em reforçar o alinhamento ideológico com o governo do presidente dos EUA, Donald Trump, do que uma revisão fundamentada da posição diplomática brasileira.

Leia também

Uma alta fonte diplomática ouvida pela Reuters explica que a posição brasileira sempre se baseou no que considera uma defesa dos interesses brasileiros na questão, e não em tomar partido entre um e outro lado.

"Se o governo dos Estados Unidos quer fazer um embargo unilateral, o problema é deles. O problema é quando eles usam a legislação interna contra agentes econômicos de terceiros países que comerciam com Cuba. Isso violaria nossa soberania ao punir nossas empresas pela legislação interna americana", explicou a fonte.

A fabricante brasileira de cigarros Souza Cruz, pertencente à British American Tobacco PLC, tem uma joint-venture em Havana que produz a maioria dos cigarros em Cuba.

A resolução condenando o embargo é apresenta pela Assembleia-Geral desde 1992. Em 2018, foi aprovada por 189 países, com votos contrários apenas dos Estados Unidos e de Israel, e sem os votos de Moldávia e Ucrânia.

Bolsonaro, que costuma elogiar a ditadura militar brasileira, tem criticado a política anterior em relação a Cuba e disse que iria investigar empréstimos do Brasil à ilha.

Em seu discurso na Assembleia-Geral da ONU em setembro, Bolsonaro afirmou que um plano de Castro, Hugo Chávez e Lula para estabelecer o socialismo na América Latina ainda está vivo e precisa ser combatido.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores disse que o Brasil não comentaria a respeito da resolução sobre o embargo a Cuba antes de sua votação.

Com REUTERS

Leia também