Guerra mostra que Libertadores é prioridade no Palmeiras

Uma das principais contratações do Palmeiras para a temporada 2017, o meio-campista Alejandro Guerra fez, contra o Novorizontino, talvez sua melhor exibição com a camisa do Verdão. Ótimo jogador e em alta, o venezuelano é uma das esperanças do Alviverde para a temporada, e com o time na briga pelo título do Paulistão e próximo de um confronto importante com o Peñarol pela Libertadores, o jogador deu entrevista coletiva na Academia nesta segunda-feira (10). Confira o que disse o atleta:

Melhor atuação com a camisa do Palmeiras?

"Penso que fui bem, graças aos meus companheiros. Conversamos antes da partida, estavam todos comprometidos. Pessoalmente, me senti bastante cômodo, solto. Não sei se foi minha melhor partida, mas estava muito confiante. A cada dia vou conhecendo mais os companheiros, a cada dia estou mais adaptado. Foi um pouco difícil pela intensidade de jogos, mas estou adaptado e me sentindo cada vez melhor".

Adversários no Paulistão

"Do que vi, as equipes do Paulista jogam sempre uma final com o Palmeiras. Enfrentar jogadores como Felipe, Zé, Dudu... Eles seguramente os admiram. Também vi que marcam muito homem a homem no meio-campo, o que dificulta para tocar a bola. Os gramados também não são muito bons, muitos não estão em bom estado. E também te atacam rápido se você se descuida, têm jogadores rápidos e muito técnicos. Me falaram que é melhor jogar o Brasileirão, porque você enfrenta equipes grandes, que saem a jogar e deixam espaço também".

Thomas Santos Alejandro Guerra Palmeiras Jorge Wilstermann Copa Libertadores 15032017

Duelo com o Peñarol pela Libertadores

"O Peñarol é uma equipe grande da América do Sul. Enfrentei no ano passado, nos demos bem, mas hoje em dia o futebol muda muito rápido. Nossa equipe está com muita confiança. Penso que vai ser um jogo muito travado, muito duro, e temos que ser muito inteligentes".

Parceria com Borja

"Com Miguel eu tive seis meses no Nacional e fomos bem. É um jogador muito rápido, potente e inteligente. Temos que aproveitá-lo. Eu só falo para ele estar muito atento, porque às vezes toco de primeira, procuro a diagonal. Não só ele, mas Willian está em um momento muito bom, Dudu... Com todos trato de fazer uma parceria muito boa. Espero que Miguel continue fazendo gols e que eu continue conhecendo cada vez mais meus companheiros".

Guerra e Keno - Palmeiras - 4/02/2017

(Fotos: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)

Apoio da torcida

"Sinto que a torcida do Palmeiras sempre me apoiou. Desde o jogo contra o Corinthians, em que cometi um erro pontual do futebol. Você tem de ter cabeça fria e focar rapidamente na partida seguinte. Sinto que me apoiaram em todo o momento, me mandaram mensagens. Agradeço a todos pelo apoio que me deram. Sinto que me apoiam, não somente a mim mas a todos. É uma torcida muito forte. Contra o Wilstermann, penso que se ganhamos o jogo foi por causa deles. A pressão que eles metem não é normal. Jogam com a gente o tempo todo, ganhamos no último minuto por eles".

Pressão na Libertadores

"Penso que o Palmeiras armou uma equipe para ser campeã da Libertadores. Se não o fizermos, vai ser um fracasso. Temos jogadores com muita técnica, muita sabedoria, mas temos que mostrar em cada partida. Hoje em dia não se jogam com nomes, com contratações. Em campo são 11 contra 11. Nossa equipe está sabendo respeitar os rivais, por isso o Palmeiras está indo muito bem nos torneios que está disputando. No Paulista, estamos mostrando que somos bons de visitante e de local. É hora de mostrar isso a nível internacional".