Apoio de Bolsonaro a candidata no Recife divide Cidadania e aborrece líder do governo

Colaboradores Yahoo Notícias
·3 minuto de leitura

(Por Paulo Pacheco)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) provocou revolta e insatisfação ao pedir votos para Delegada Patrícia à Prefeitura do Recife. O Cidadania, coligado à sigla na eleição municipal, retirou-se da candidatura do Podemos, porém o coordenador da campanha e o candidato a vice discordaram da legenda. O posicionamento do chefe do Executivo desapontou o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB), que esperava o apoio a Mendonça Filho (DEM).

Durante live transmitida no último sábado (7), em seu Facebook, Bolsonaro afirmou ter conversado com Delegada Patrícia e fez um apelo para os eleitores votarem nela por ser a única capaz de derrotar os dois “candidatos de esquerda” à frente nas pesquisas eleitorais: João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT).

Leia também

Logo após o presidente ter manifestado publicamente seu apoio à candidata do Podemos, o presidente do Cidadania, Roberto Freire, afirmou que o partido deixaria a coligação: “A presença do senhor presidente da República, um obscurantista e negacionista, no palanque da referida candidata é incompatível com os valores e princípios defendidos pelo Cidadania”.

Em resposta a um seguidor no Twitter, Freire declarou que a nota oficial do partido tinha a “total anuência” de Daniel Coelho, deputado federal pelo Cidadania e coordenador da campanha de Patrícia. O parlamentar, entretanto, contrariou o presidente da sigla e se manteve ao lado da candidata.

“Meu apoio é para a Delegada Patrícia. Por suas qualidades e por sua história. Pelo compromisso de fazer uma mudança real na política pernambucana. Estou fechado com Patrícia. Vamos seguir rumo ao segundo turno e vamos vencer a eleição”, escreveu Coelho na rede social. O candidato a vice, Leo Salazar (Cidadania), compartilhou o tweet do coordenador no Instagram.

Segundo pesquisa Datafolha divulgada na última quarta, Patrícia aparece em quarto lugar, com 14%, atrás de João Campos (31%), Marília Arraes (21%) e Mendonça Filho (16%), que associou sua imagem à de Bolsonaro com a ajuda de Fernando Bezerra Coelho, líder do governo no Congresso. No Twitter, o senador não escondeu sua insatisfação pelo apoio do presidente à rival direta de seu candidato.

“Com surpresa, tomei conhecimento da decisão do presidente Jair Bolsonaro de apoiar a candidatura do Podemos à Prefeitura do Recife, a despeito da posição de neutralidade anteriormente assumida visando o equilíbrio no campo de oposição. Após comunicar o próprio presidente, reafirmo o meu compromisso com Mendonça Filho, que possui capacidade de gestão, habilidade política e espírito público para liderar um novo ciclo político no Recife, além de estar alinhado com a agenda de retomada do crescimento do país”, declarou.