Aperfeiçoar ataque e corrigir defesa: a meta de Ceni na intertemporada

Em uma semana, o São Paulo amargou eliminações na Copa do Brasil e no Campeonato Paulista, duas das quatro competições no ano. Resultados que, apesar de indesejados, darão ao técnico Rogério Ceni um período raro de treinos a fim de preparar a equipe para a sequência da temporada. Serão duas semanas de trabalhos intensos, começando nesta quarta-feira, quando o elenco se reapresentará no CCT da Barra Funda.

As atividades visarão primeiramente ao próximo compromisso do Tricolor, o duelo de volta contra o Defensa y Justicia-ARG, em 11 de maio, no Morumbi, pela primeira fase da Copa Sul-Americana, além da disputa do Campeonato Brasileiro, pelo qual estreará no dia 14, contra o Cruzeiro, no Mineirão. Até lá, Ceni tentará fazer os ajustes necessários para o time não decepcionar a sua torcida ao final do segundo semestre.

No decorrer do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil, o que mais se evidenciou no time do Morumbi foi o desequilíbrio entre ataque e defesa. Enquanto ia bem no primeiro quesito, o São Paulo se mostrava vulnerável no segundo. Em um total de 25 partidas no ano, a equipe marcou 44 gols, mas sofreu outros 30.

O que mais preocupa o treinador, porém, não é a qualidade dos jogadores, mas o modo como eles se comportam defensivamente. Nos últimos jogos, houve uma evolução, mas o time segue causando calafrios em seus torcedores quando o adversário tem a bola parada a favor de si.

“Tomamos muitos gols de bola parada, foram nove, em 23 ou 24 (30, na verdade) que tomamos na temporada. É um número bastante alto. Fizemos sete de bola parada. Temos que trabalhar bola parada a favor e contra”, diagnosticou Rogério Ceni.

Embora o Tricolor tenha mostrado vocação ofensiva, o ex-goleiro não está satisfeito, muito em função das dificuldades que sua equipe encontrou diante de adversários fechados, mesmo sendo superior em posse de bola e finalizações. Foi assim contra Cruzeiro e Corinthians, no Morumbi, pela quarta fase da Copa do Brasil e semifinais do Paulista, respectivamente.

Em ambas as ocasiões, o time da casa não conseguiu furar a retranca do rival e acabou derrotado por 2 a 0. Curiosamente, longe de seus domínios, o São Paulo foi bem melhor e arrancou uma vitória por 2 a 1 no Mineirão e um empate por 1 a 1 em Itaquera, resultados que não impediram sua desclassificação.

Elevar o poder de criação do time será outro objetivo a ser alcançado nesta intertemporada, portanto. “Temos um sistema adaptado, é aperfeiçoar esse sistema, mas vejo uma evolução muito grande. Sei que a gente pode se apegar ao resultado frio, mas nos números foi um futebol melhor jogado tanto na semifinal do Paulista quando na fase eliminatória da Copa do Brasil”, argumentou Ceni.