Após venda de Marrony, Vasco volta atenção às renovações de contrato

Felippe Rocha
LANCE!


Com a saída de Marrony para o Atlético-MG apenas pela burocracia final, os atrasos salariais do Vasco serão, por consequência, reduzidos. E com o Vasco menos asfixiado financeiramente, a diretoria do Cruz-Maltino vai tentar intensificar as negociações para as renovações dos jogadores que estão com contratos por vencer.

O caso mais urgente é o de Ricardo Graça. O zagueiro de 23 anos poderá assinar pré-contrato com qualquer outro clube a partir de três de julho. Até o momento, as tratativas para um novo vínculo não tiveram êxito. Presente no Torneio Pré-Olímpico do último janeiro, ele recebe sondagens desde então. É um ativo do clube que poderá não gerar lucro.

O contrato de Ricardo vai até o início do ano que vem. Contudo, há titulares com contratos por vencer em 31 de dezembro: Fernando Miguel e Raul. O goleiro foi questionado recentemente, em transmissão da Vasco TV, sobre a renovação, e afirmou não ter pressa.

Miguel citou a vontade de ambas as partes de que o acordo seja concretizado, mas afirmou não ter pressa. Ocorre que não há nem clima para acerto, nem poder de barganha do lado vascaíno para renovar contratos. Os atrasos salariais no clube chegam a agosto do ano passado, considerados os direitos de imagem de parte do elenco.

O goleiro tem 35 anos e pouco mercado na elite nacional. Mas Raul, de 23, tem leque de opções que também deixam o Vasco em alerta para não perder o meio-campista.

Após vender um jogador para diminuir os problemas, o Vasco terá semanas de pressão para renovar. Perder ativos sem lucrar traria consequências terríveis para quem segue em crise financeira.










Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também