Após tratar leucemia, nadadora japonesa se classifica para a Olimpíada

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Dois anos após receber o diagnóstico de leucemia, a nadadora japonesa Rikako Ikee, 20, garantiu uma vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Neste domingo (4), no torneio nacional do Japão, Ikee venceu os 100 m borboleta com a marca de 57,77 segundos. O resultado não classificaria a atleta para a prova individual, mas foi suficiente para dar a ela um lugar no revezamento 4 x 100 m olímpico. Ao terminar a prova, a japonesa deu um soco na água e, já fora da piscina, concedeu entrevista emocionada. "Eu não esperava mesmo vencer os 100 m, estava me sentindo menos confiante do que na classificação para a Olimpíada [do Rio] há cinco anos", disse a nadadora, que não escondeu as lágrimas. "Eu pensava que não seria capaz de vencer por muito tempo. Mas treinei forte para isso. No dim das contas, vim para esta prova dizendo a mim mesma que estava de volta. Então sinto que, mesmo que você passe por sofrimento e dor, o trabalho duro será sempre recompensado." Em fevereiro de 2019, Rikako Ikee não se sentiu bem durante a concentração para um torneio na Austrália e retornou ao Japão às pressas. Com o diagnóstico de leucemia, tratou a doença por dez meses. A japonesa só voltou a nadar competitivamente em agosto do ano passado e já não contava com classificação à Olimpíada de Tóquio. Seu foco depois do tratamento era a preparação para os Jogos de Paris, em 2024. Antes do câncer, a atleta era considerada uma das favoritas a conquistar medalha no Japão. Em 2018, nos Jogos Asiáticos, na Indonésia, Ikee faturou seis ouros e duas pratas. Classificada para o revezamento olímpico, a nadadora não poderá disputar os 100 m borboleta, mas terá nova oportunidade de classificação a outras provas da natação. Nesta semana, no Campeonato de Tóquio, Rikako Ikee buscará vaga nos 50 m e 100 m livres. A presença na próxima edição da Olimpíada será a segunda participação da japonesa nos Jogos. Em 2016, ela esteve na Rio-2016, e terminou os 100 m borboleta na sexta colocação. "Estou muito feliz que ganhei hoje, mas se você me perguntar se posso competir realmente contra as melhores do mundo com o tempo que eu fiz, eu diria que não. Ainda tenho muito trabalho pela frente", completou Ikee.