Após ser intimado, Cruzeiro publica rescisão do contrato de Felipe Conceição

·2 minuto de leitura


O técnico Felipe Conceição conseguiu que o Cruzeiro publicasse oficialmente sua rescisão de contrato, que já apareceu no BID (Boletim Informativo Diário), da CBF. Assim, o treinador poderá comandar o Remo, seu novo time, na beira do campo e ter seu vínculo registrado pelos paraenses.

Conceição só conseguiu a liberação oficial depois de acionar a CNRD (Câmara Nacional de Resolução de Disputas) e a Justiça do Trabalho, que intimou o time mineiro a concluir a saída do técnico com possibilidade de multa diária de R$ 50 mil caso descumprisse a ordem judicial.

Conceição alegou que o Cruzeiro não havia publicado sua rescisão, pois ele teria sido demitido e não feito um acordo de saida.

Entenda o caso

O ex-técnico do Cruzeiro, Felipe Conceição, acionou clube na Câmara Nacional de Resolução de Disputas (CNRD) por uma suposta falsa alegação de que as duas partes teriam feito um comum acordo na rescisão de contrato no dia 9 de junho, quando Felipe foi demitido.

O treinador diz que o Cruzeiro mentiu na hora de publicar a sua saída apresentando um documento com rompimento do vínculo "em comum acordo", o que, na visão dele, "não condiz com a realidade".

Conceição diz na ação no CNRD que o seu entendimento é que ele foi demitido pelo clube, tendo como base um pronunciamento do presidente Sérgio Santos Rodrigues logo após a eliminação da Copa do Brasil, em que o dirigente afirma que foi encerrado o trabalho do treinador.

Felipe Conceição diz também que não recebeu os valores referentes à rescisão de contrato e que demorou a receber os documentos sobre sua rescisão, notando que estava escrito que a saída foi “em comum acordo entre as partes”.

O ex-técnico afirma que o Cruzeiro o comunicou que só registraria a rescisão do contrato no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF se aceitasse que o fim do vínculo foi "em comum acordo". O treinador se recusou e decidiu acionar a CNRD para poder acertar com outra equipe.

Limite de trocas de técnicos


Felipe Conceição argumentou em sua petição que o Cruzeiro usou desse artifício para burlar a nova regra da CBF que limita a troca de técnicos no Campeonato Brasileiro. A partir deste ano, é permitida apenas uma demissão de treinador sem justa causa durante a competição, Se Mozart Santos for demitido e for comprovado que a Raposa mandou embora Conceição, o time estrelado não poderá contratar outro treinador e será obrigado a ter um auxiliar comandando a equipe. Por isso, no argumento do ex-treinador, o clube colocou que houve um acordo para sua saída.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos