Após processo contra Inter, CBF altera regulamento e tenta evitar novo caso Victor Ramos

Nesta quarta-feira (15), o STJD aceitou pedido da CBF e abriu inquérito contra o Internacional pela suposta falsificação de documentos utilizados no "caso Victor Ramos". O clube gaúcho considera a atitude uma represália depois do Colorado ter procurado a CAS (Corte Arbitral do Esporte).

Um dia depois, a CBF também alterou regulamento para evitar novos problemas semelhantes. A alteração, realizada pela entidade, foi no Regulamento Geral de Competições, que evitará que um eventual novo 'caso Victor Ramos' seja julgado pelo STJD.

A criação do inciso terceiro no artigo 35, que trata da inscrição de jogadores, diz que "eventual irregularidade de ato de registro e/ou transferência não se confunde com irregularidade da condição de jogo, sendo de competência da CNRD, na forma do Art. 63, §1º do Regulamento Nacional de Registro e Transferência de Atletas de Futebol (RNRTAF), apreciar e julgar tais irregularidades".

Roberto Melo Internacional 13122016

(Foto: Internacional/Divulgação)

A novidade é que, se o mesmo acontecer em 2017, com a inscrição de um atleta, de acordo com nova regra no RNRTAF (Regulamento Nacional de Registro e Transferência de Atletas de Futebol), o caso será julgado na Câmara Nacional de Resolução de Disputas (CNRD) e não no Supremo.

O curioso é que o CNRD tem presidente indicado pela CBF e depende financeiramente dela, o que dificultaria um julgamento justo. A nova determinação também confirma que se algum atleta tiver seu nome publicado no Boletim Informativo Diário, ele está, independente de qualquer coisa, apto a jogar. A alteração contraria um regulamento superior, o Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), de autoria do Ministério do Esporte.