Após perder Neymar, Barcelona aprende a lição e aumenta cláusulas de rescisão

O Barcelona aprendeu a lição com as cláusulas de rescisão. Até alguns meses atrás, parecia impossível que lhe roubariam uma de suas estrelas usando este meio, mas o PSG demonstrou que contratar Neymar era assumíve por "apenas" 222 milhões de euros.


A experiência em agosto passado com o brasileiro serviou para que os catalães mudassem sua política e aumentou as clásusulas de rescisão de suas principais peças para que se tornem inatingíveis aos concorrentes no futebol europeu.


O exemplo mais claro desta mudança política é visto com as cláusulas que foram estabelecidas nos contratos dos novos contratados: Philippe Coutinho e Yerry Mina. A cláusula do brasileiro é de 400 milhões de euros, enquanto o do colombiano é de 100 milhões de euros.

Yerry Mina Barcelona

(Foto: Getty Images)

As duas contratações não são os únicos exemplos, pois no novo contrato assinado por Messi em novembro também há uma cláusula de 400 milhões, assim como a de Dembélé.

Esta tendência deve continuar nas próximas revisões contratuais de Umtiti e Sergi Roberto. O francês, que chegou em condições semelhantes às de Mina, assinou com uma cláusula de 60 milhões que o Barça deve se preocupar em aumentar, já que na Inglaterra surgem rumores de que o Manchester City estaria disposto a pagá-la. Já o espanhol, que já negocia há semanas sua renovação, também aumentará a cláusula atual de 40 milhões de euros.