Após outubro invencível, Fluminense dá fim à sequência: o que deu errado contra o Grêmio

Luiza Sá
·2 minuto de leitura


Não apenas de méritos do Grêmio se fez o fim da sequência invicta de oito partidas do Fluminense, neste domingo, no Maracanã. O que mais deu errado? Aquilo que de mais importante poderia faltar para a equipe manter as boas atuações. O Tricolor voltou a reviver o fantasma da pouca criatividade e perdeu por 1 a 0, pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro. Mais do que só os problemas ofensivos, o time cedeu espaços além do necessário e viu a formação aplicada de Renato Gaúcho repetir o placar do primeiro turno.

O próprio Odair Hellmann admitiu que o Flu errou "acima do normal" e fez uma partida ruim "em todos os sentidos". Apesar do primeiro tempo ter sido melhor, o time saiu devendo. Das nove finalizações, apenas duas foram em direção ao gol, mas nenhuma deu trabalho de fato ao goleiro Paulo Victor. Isso passou muito pela escolha de Michel Araújo como meia. O uruguaio prendeu mais do que soltou o jogo e, portanto, faltaram alternativas ofensivas.

A tentativa de correção do problema foi o segundo erro da partida. Odair optou por deslocar Wellington Silva, que vinha bem, e acabou perdendo um dos jogadores que mais se oferecia na frente, já que o atacante não rendeu na direita. Marcos Paulo e Paulo Henrique Ganso reduziram muito a velocidade de um Fluminense que cedeu cada vez mais espaços a um Grêmio que soube aproveitar para criar oportunidades e poderia ter matado o confronto sem maiores dificuldades.

Se a posse de bola antes do intervalo já havia sido alta, com 56%, ela aumentou depois, ficando em 64%. No entanto, isso rendeu apenas três chutes, dois no alvo e um fora, sendo o primeiro já depois dos 34 minutos. Para se ter ideia, o Tricolor carioca trocou 319 passes só na segunda etapa, um pouco a menos do que o Grêmio no jogo inteiro (366). Mas erros bobos de passe e a pouca capacidade de infiltração impossibilitaram o Fluminense até de fazer o goleiro Paulo Victor suar.

- Quando você joga contra um adversário com um bloco muito baixo e com um contra-ataque forte, você precisa errar muito pouco nessa fase de construção e hoje a gente errou muito, muito acima do normal. Isso acabou facilitando o contra-ataque do Grêmio. A ideia foi de construção, buscar o controle. A nossa posse foi muito pouco efetiva. Não conseguimos transpor essa marcação do adversário. Não foi uma boa partida em todos os sentidos, não conseguimos nos impor - avaliou Odair em entrevista coletiva.

A derrota não é motivo para desespero, mas liga um sinal de alerta no Fluminense, que tem uma sequência ingrata pela frente no Brasileirão. O retorno de Nenê pode ajudar Odair a recuperar o meio-campo que imagina ser o ideal para a equipe, mas a perda de Yago Felipe também pesa. No sábado, o Flu visita o Palmeiras no Allianz Parque, às 21h30.