Após demissão de jogador Maurício Souza por homofobia, Flávio Bolsonaro pediu boicote à Fiat

·3 min de leitura
Após demissão de jogador Maurício Souza por homofobia, Flávio Bolsonaro pediu boicote à Fiat
Após demissão de jogador Maurício Souza por homofobia, Flávio Bolsonaro pediu boicote à Fiat

Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), senador e filho do presidente da república, atacou a Fiat e a Gerdau no Instagram. O político pediu boicote às empresas após elas terem se posicionado contra a homofobia, no contexto da demissão do jogador Maurício Souza. Minutos depois, apagou a postagem.

Em sua mensagem, Flávio Bolsonaro acusa Fiat e Gerdau de serem responsáveis pela demissão, que chamou de “perseguição”. O post foi capturado antes dele apagar.

Post do senador Flávio Bolsonaro atacando Fiat e Gerdau
Imagem: Reprodução/Twitter

Maurício era contratado do time de vôlei do Minas Tênis Clube, patrocinado pela Fiat. O nome do time de vôlei do clube é Fiat Minas Gerdau. Após manifestações homofóbicas da internet, foi desligado ontem do time.

Polêmica do Superman

Quais foram as manifestações? Há duas semanas, o atleta havia mencionado o fato do novo Superman das histórias em quadrinhos (que não é Clark Kent, mas seu filho) ser bissexual. Pareceu implicar que algo muito grave poderia acontecer por causa disso: “Ah, é só um desenho, não tem nada demais [sic]. Vai nessa que vai ver onde vamos parar…”

Após uma péssima repercussão, Maurício Souza usou sua conta no Twitter, muito menor que a do Instagram (cerca de 6 mil versus 513 mil seguidores, contados no momento em que a matéria foi escrita), para se retratar.

Tweets by mauriciovolei1

Mesmo após ter apagado o post atacando as empresas, o senador Flávio Bolsonaro fez um post irônico na manhã de hoje (28/10) com o Superman beijando a Mulher-Maravilha. Sem mencionar a Fiat, a mesma imagem foi postada pelo jogador Maurício Souza.

Maurício já havia se envolvido numa polêmica na época das Olimpíadas, ao entrar numa discussão com o influencer Felipe Neto, por sua postura política a favor do presidente.

Como a Fiat reagiu ao caso Maurício Souza

Nesta terça-feira (26), a montadora de automóveis havia sido enfática em sua postagem sobre o caso. Mencionou o jogador pelo nome e firmou estar “cobrando medidas cabíveis”. Também afirmou que o posicionamento da empresa é “inegociável diante do respeito à diversidade e à inclusão”.

“Em relação às recentes declarações do jogador Maurício Souza, da equipe de vôlei Fiat Minas Gerdau, a Fiat declara seu repúdio a toda e qualquer expressão de cunho homofóbico, considerando inaceitáveis as manifestações movidas por preconceito, ímpeto desrespeitoso e excludente. A empresa pauta suas ações e relacionamentos com base em valores que considera inegociáveis, como o respeito à diversidade e Inclusão.

Assim, a Fiat repudia qualquer tipo de declaração que promova ódio, exclusão ou diminuição de pessoa humana e espera que a instituição tome as medidas cabíveis e necessárias no espaço mais curto de tempo possível”

Comunicado oficial da Fiat

Atletas se dividem

Segundo reportagem do UOL, outros jogadores de vôlei se colocaram em defesa do colega. Wallace e Sidão teriam postado no Instagram comentários em apoio. E talvez apagado; não conseguimos encontrar hoje esses comentários.

Do outro lado, atletas se manifestaram contra a homofobia. Foi o caso do jogador Henrique Honorato, do Minas Tênis Clube, e do companheiro de Maurício na seleção, Douglas Souza.

Já Douglas Souza agradeceu a postura da Fiat e, após o desligamento de Maurício:

Maurício também mantém o post original em sua página.

Leia mais:

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal.

Imagem: Roque de Sá/Agência Senado/Attribution 2.0 Generic (CC BY 2.0)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos