Ao The Players' Tribune, Marcelo conta como até livro de finanças ajudou Lyon em feito histórico na Champions

Fabio Utz
·3 minuto de leitura

Sabe aquela frase que diz que "no futebol, nada é impossível"? Pois então... A trajetória do Lyon na Champions League explica muito isso. Realmente era quase que impossível pensar que este time pudesse passar pela poderosa Juventus e chegar às quartas de final da principal competição europeia. Pois a classificação veio. Cristiano Ronaldo e companhia ficaram para trás, e o zagueiro Marcelo, em um emocionante texto ao The Players' Tribune, explicou bem este sentimento.

O que as pessoas não sabiam, porém, é que eu tinha lido um livro muito bom sobre finanças pessoais. Pode parecer bobagem, mas tenho certeza de que aquele livro nos ajudou a eliminar a Juventus. Eu tinha terminado a leitura uma semana antes. Gosto de estudar economia e finanças, e o nome do livro é The Millionaire Real Estate Agent (O Agente Imobiliário Milionário), escrito pelo Gary Keller. Um dos principais ensinamentos é que você tem de pensar grande. Se você fizer isso, pode ter conquistas que nunca imaginou que fossem possíveis.Marcelo, zagueiro do Lyon

O feito histórico foi obtido em plena Itália. O time francês havia vencido em casa o jogo de ida por 1 a 0, mas a paralisação do calendário por conta da pandemia de coronavírus fez com que qualquer perspectiva ficasse prejudicada. O time foi a campo em Turim tendo disputado um duelo oficial em cinco meses. "Ao longo da semana, a minha mensagem para o elenco foi que se acreditássemos que eliminaríamos a Juventus, poderíamos realmente fazê-lo. Isso pode parecer bobo, mas tem uma grande diferença entre falar que você pode vencer e realmente acreditar nisso. Eu disse “Rapaziada, já vimos muitas coisas inesperadas no futebol. Por que não somos capazes de fazer algo inesperado também?. Então pedi que visualizassem a nossa classificação contra a Juventus - e depois que nos imaginassem levantando a taça da Champions League. Loucura? Talvez. Mas o Lyon é grande, um clube histórico. Por isso, temos de pensar grande também, certo?", escreveu.

Segundo o atleta, o grupo comprou a ideia, mas obviamente era impossível saber se aquele discurso teria efeito dentro das quatro linhas. Durante o caminho para o estádio, em um momento de relaxamento, Marcelo teve a oportunidade de contar a Kenny Tete, companheiro holandês, sobre suas origens - ele veio da favela. Ao mesmo tempo, foi possível relembrar que, no início do ano, quase deixou o Lyon e também o fato de, após uma derrota para o Benfica, ter discutido com um torcedor que veio cobrar atitude do plantel no aeroporto. Naquele momento, tudo era motivo para buscar forças em torno de um objetivo único: a classificação. E ela veio - derrota por 2 a 1 e vaga garantida pelo saldo qualificado.

Agora estamos nas quartas de final. Como nesse ano é só uma partida em cada fase, isso significa que estamos a três jogos do título da Champions League. Três jogos. Três finais. Sabemos que não somos os favoritos, mas três jogos? Três jogos não é nada.Marcelo, zagueiro do Lyon

"A Tati (sua esposa) fez uma observação muito interessante outro dia. Esse ano está sendo diferente em vários sentidos. Quem sabe se algo diferente também não vai acontecer no futebol?
O Lyon está realmente sonhando em ser campeão da Champions League. Podemos conseguir, sim. Porque nesse jogo maluco, assim como na vida, tudo pode acontecer." E é com este espírito que o time pega o Manchester City, neste sábado, tentando mais uma vez fazer história e, dessa vez, ir à semifinal do torneio.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique aqui.