Antes desacreditado, Corinthians goleia e fica perto do título paulista

6 - Rodriguinho lamenta suspensão, apesar de sua 'melhor partida'

ALEX SABINO E EDUARDO RODRIGUES

CAMPINAS, SP (FOLHAPRESS) - O time que começou o ano considerada a "quarta força" do Estado, está a 90 minutos de ser campeão paulista. O Corinthians não deu chances à Ponte Preta, neste domingo (30), em Campinas, e venceu por 3 a 0. Isso significa que no domingo (7), no Itaquerão, a equipe da capital poderá perder por até dois gols de diferença que ficará com o título.

Rodriguinho fez dois gols, deu passe para um e foi o grande nome da partida. Jadson também marcou.

Foi uma tarde de frustração para os donos da casa. O Corinthians estava preparado para anular as principais opções da Ponte Preta. A velocidade de Clayson, os deslocamentos de Lucca e a força física de William Pottker foram anuladas.

Fechado na defesa e com Jô aberto pela direita, nas costas de Reynaldo, o Corinthians esperou pelo contra-ataque para abrir o placar. Este não demorou a chegar.

Foi pelo espaço deixado pelo lateral esquerdo que Fagner fez cruzamento aos 13 minutos. Jô deu o passe para Rodriguinho aparecer livre na área e chutar forte, pelo alto.

A desvantagem desconcertou a Ponte Preta. A equipe não tinha imaginação ou precisão nos passes para ameaçar Cássio. No primeiro tempo, não criou nenhuma chance de gol. As tentativas eram de inversões de jogada, da direita para a esquerda ou da esquerda para a direita. Passes longos, por trás da marcação. Não deram certo nenhuma vez. Invariavelmente, a bola era cruzada na área e cortada com facilidade por Pablo ou Balbuena.

Este foi um grande problema da equipe de Campinas. Querer usar a jogada aérea com Pottker, sua principal referência ofensiva, fora da área e facilitando a vida do sistema de marcação do Corinthians. Aos poucos, até o artilheiro da Ponte no Estadual começou a perder a paciência e não conseguia sequer dominar bolas fáceis.

Os únicos momentos de alegria para a torcida pontepretana antes do intervalo foram os cartões amarelos mostrados pelo árbitro Raphael Claus para Rodriguinho e Gabriel. Eles estavam pendurados e não poderão atuar na partida de volta, no próximo domingo (7), no Itaquerão.

O CAMINHO

Pelas laterais, principalmente a direita, estava o mapa da mina do Corinthians e era por lá que Jadson, Jô e Fagner se revezavam para incomodar a zaga rival. O destino dos passes na área era quase sempre Rodriguinho e o meia teve duas chances para ampliar. Uma cabeçada fraca após falha do zagueiro Fábio Ferreira e uma finalização por cima do gol quando estava livre.

O jogo não mudou de aspecto após o intervalo. A Ponte Preta melhorou a marcação pelo lado esquerdo da defesa porque Gilson Kleina trocou Reynaldo por Artur. Entrou Renato Cajá para tentar dar mais criatividade ao meio-campo. Não funcionou.

A torcida da casa até se empolgou com o cruzamento rasteiro de Pottker para Lucca completar, mas Balbuena travou o chute.

O Corinthians percebeu que os espaços estavam lá. Faltava uma bola para Rodriguinho. Se a marcação da Ponte melhorou de um lado, ele foi pelo outro. O meia puxou contra-ataque, levou três marcadores e serviu à Jadson chutar cruzado para fazer o segundo gol.

Foi o lance que desnorteou a Ponte. Romero passou a encontrar espaço em todas as jogadas. O mesmo para Jô. Rodriguinho continuou sendo uma ameaça. Fabio Carille até trocou Gabriel por Paulo Roberto, provável substituto do volante na segunda decisão, para ver como ele se saía diante do adversário do próximo domingo.

Sem saídas táticas, restou à Ponte jogadas individuais como a arrancada de Pottker e um chute de Clayson da entrada da área. O time de Campinas estava à mercê porque o Corinthians não oferecia o contra-ataque para o rival que chegou à decisão apoiado neste tipo de lance.

Aos 34, Rodriguinho coroou sua atuação com um gol de cabeça. Restou à torcida da Ponte começar a brigar entre si nas arquibancadas e cadeiras cativas do estádio Moisés Lucarelli.

PONTE PRETA

Aranha; Nino Paraíba, Fábio Ferreira, Yago e Reynaldo (Artur); Fernando Bob, Elton e Jadson (Renato Cajá); Lucca, William Pottker e Clayson. Técnico: Gilson Kleina

CORINTHIANS

Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel (Paulo Roberto), Maycon (Camacho): Jadson (Clayton), Rodriguinho e Romero; Jô. Técnico: Fábio Carille

Estádio: Moisés Lucarelli, em Campinas, SP

Juis: Raphael Claus (SP)

Gols: Rodriguinho (COR), 13min/1º T (0-1), Jadson (COR), 14min/2ºT (0-2), Rodriguinho (COR), 35min/2ºT(0-3)

Leia também