Antes da Supercopa, Jorge Jesus pôs Athletico ao lado de Liverpool e River

Jorge Jesus fez elogios ao Athletico, rival da Supercopa do Brasil (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)
Jorge Jesus fez elogios ao Athletico, rival da Supercopa do Brasil (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)


"Junto ao Liverpool e ao River, o Athletico foi a equipe que mais dificuldade nos criou": foi assim que Jorge Jesus, técnico do Flamengo, avaliou o tamanho do desafio que terá neste domingo, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, na Supercopa do Brasil. No comando do Rubro-Negro desde junho, o Mister tem motivos para lembrar do adversário com "pouca simpatia". Sua estreia foi na Arena da Baixada, em mata-mata pela Copa do Brasil, o qual o Furacão levou a melhor. Na sequência o time comandado por Tiago Nunes conquistou o título.

Contudo, daqueles dois jogos disputados em julho (1 a 1 em Curitiba e 1 a 1 no Rio de Janeiro, com o Athletico avançando na disputa por pênaltis), muita coisa mudou no Furacão. Começando pelo técnico: Tiago Nunes deixou o clube para acertar com o Corinthians. Dorival Júnior assumiu a equipe nesta temporada e, por ora, pouco pôde ser observado do time principal, que só fez um jogo oficial.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

As saídas são significativas, por outro lado. O Athletico "perdeu" o lateral Madson, o meia Bruno Guimarães e o atacante Marco Ruben, além do zagueiro Léo Pereira - vendido ao próprio Flamengo. Todos eram titulares da equipe no ano passado.

Neste cenário, Jorge Jesus e sua comissão técnica tem pouco material do adversário à disposição para estudar os pontos fortes e fracos. A forma do Flamengo se portar em campo, por sua vez, não será alterada por isso, com a equipe procurando o protagonismo no Mané Garrincha.

Diferente de Athletico, campeão da Copa do Brasil, o Flamengo, por meio dos esforços de sua diretoria, manteve a base do time campeão brasileiro. A única saída, entre os titulares, foi a de Pablo Marí, zagueiro negociado com o Arsenal.

Em seu lugar, neste domingo, Gustavo Henrique atuará ao lado de Rodrigo Caio. O resto da Flamengo do Mister Jorge Jesus deve ser a mesma de 2019, com Diego Alves; Rafinha, Rodrigo Caio, Gustavo Henrique e Filipe Luís; Willian Arão, Gerson e Everton Ribeiro; Bruno Henrique e Gabriel Barbosa.





Com a Palavra - Daniel Piva, repórter da Rádio Transamérica Curitiba

"O time principal do Athletico teve poucos amostras em 2020, o que dificulta uma análise sobre o time. Foi uma partida oficial (o empate por 1 a 1 no clássico contra o Paraná Clube, pelo Estadual, na Arena da Baixada), duas partidas amistosas na Argentina (2x2 com o Racing e derrota por 3x1 para o Boca, em duelos que aceitavam até oito substituições) e um jogo-treino com portões fechados contra o time aspirante do Grêmio (o Furacão venceu por 2x0).

Diante deste cenário, já é possível observar algumas mudanças no time do técnico Dorival Júnior em relação à equipe de 2019. No jeito de jogar, a diferença mais significativa é no comportamento dos laterais, que fazem a diagonal e vão para o meio de campo, ajudando na construção. Enquanto isso, os extremos ficam bem abertos, o que gera a amplitude pelas laterais para o time. Em relação a peças, nomes importantes deixaram o Furacão (o lateral Madson, o zagueiro Léo Pereira, o meio-campista Bruno Guimarães e o centroavante Marco Ruben). A principal atração é a permanência do atacante Rony, que ficou próximo de sair devido a propostas do Corinthians e do Palmeiras. Ele deve ser titular e formar o sistema ofensivo ao lado de Nikão e de Guilherme Bissoli."





Leia também