Monaco bate City, estraga marca histórica de Guardiola e avança na Champions

Monte Carlo (Mônaco), 15 mar (EFE).- O Monaco venceu nesta quarta-feira o Manchester City por 3 a 1, no estádio Louis II, avançou às quartas de final da Liga dos Campeões da Europa graças aos gols marcados fora de casa e, de quebra, provocou a mais precoce eliminação de time treinado pelo técnico espanhol Josep Guardiola na competição.

Derrotado por 5 a 3 na ida, a equipe do principado partiu para cima com tudo e abriu o placar logo aos 8 minutos do primeiro tempo, com gol do atacante francês Kylian Mbappé, que balançou as redes 11 vezes na últimas 11 partidas que disputou. Aos 29, o lateral-direito Fabinho, ex-Fluminense, que vem jogando como meia, ampliou.

O segundo tempo foi, totalmente, distinto da etapa inicial, com os 'Citizens' mais ofensivos. Aos 26, o meia-atacante alemão Leroy Sané até descontou. A resposta do Monaco foi rápida e, aos 32, o volante francês Tiemoué Bakayoko marcou de cabeça e deu números finais ao duelo.

Em sete temporadas de participação como técnico na Liga dos Campeões, Guardiola sempre chegou, ao menos, nas semifinais. A queda hoje acontece, justamente, na 100ª partida do treinador em competições europeias. No balanço, o espanhol comandou Barcelona, Bayern de Munique e City em 61 vitórias, 23 empates e 15 derrotas.

Agora, o time do principado aguarda o rival no sorteio das quartas de final, que acontecerá nesta sexta-feira, na sede da Uefa, em Nyon, na Suíça. Real Madrid, Bayern de Munique, Barcelona, Borussia Dortmund, Juventus, Leicester e Atlético de Madrid também estão classificados.

Para o jogo de hoje, o Monaco chegou com dois desfalques: o atacante colombiano Falcao García foi vetado por causa de lesão na perna direita, e o zagueiro polonês Kamil Glik estava suspenso. O francês Valere Germain e o italiano Andrea Raggi foram os substitutos escolhidos, respectivamente.

No City, Guardiola alinhou a equipe de maneira ofensiva, com o belga Kevin De Bruyne, o espanhol David Silva, o inglês Raheem Sterling, o alemão Leroy Sané e o argentino Sergio Agüero juntos. A principal surpresa foi a saída do zagueiro argentino Nicolás Otamendi, substituído pelo sérvio Aleksandr Kolarov.

Além de Fabinho, outros dois brasileiros foram escalados de início. Um pelo Monaco, o zagueiro Jemerson, e outro pelos 'Citizens', o volante Fernandinho. O time do principado ainda teve o lateral-esquerdo Jorge no banco de reservas.

O apito inicial mostrou o Monaco tão atrevido como no primeiro tempo no Etihad Stadium, enquanto a equipe inglesa buscava jogar no erro do adversário. Aos 6, Mbappé recebeu na entrada da área e bateu para o gol, parando em grande defesa do goleiro Caballero.

Depois de escanteio, a bola sobrou na entrada da área, Babayoko tentou cruzar, mas a bola explodiu na zaga e voltou para Bernardo Silva, que, esse sim, conseguiu encontrar o menino-prodígio do futebol francês, que, dessa vez não vacilou e tocou para o fundo das redes.

Aos 16, o Monaco até chegou a marcar novamente, outra vez com Mbappé, após passe na medida de Fabinho. A arbitragem comandada pelo italiano Gianluca Rocchi, no entanto, flagrou posição irregular do atacante francês e anulou o lance.

O brasileiro, lateral de origem, apareceu outra vez aos 29 minutos, de forma ainda mais decisiva. Após grande jogada de Lemar, que serviu Mendy. O canhoto cruzou na medida e encontrou, na altura da marca do pênalti, o ex-Fluminense que emendou de primeira para o fundo das redes.

Com o Monaco melhor em campo e se mantendo quase todo o tempo no campo de ataque, Fabinho teve nova oportunidade de marcar aos 38, após pegar sobra de bola na área. A finalização, no entanto, acabou explodindo no compatriota Fernandinho.

Depois do intervalo, o City mostrou atitude muito diferente, marcando mais avançado e passando a controlar a posse de bola, enquanto os donos da casa, em vantagem, procuraram esperar as açõse do adversário, para tentar apostar no contra-ataque.

Aos 12 minutos, após belo passe de De Bruyne, Sterling carregou na área e, frente a frente com o goleiro Subasic, optou por trocar para trás, procurando Agüero. Raggi se esticou todo e conseguiu impedir a finalização do atacante argentino e ainda afastar o perigo.

A 'blitz' do City seguiu intensa e, por duas vezes, entre os 21 e 22 minutos do segundo tempo, atacantes do City ficaram frente a frente com Subasic. Primeiro, Agüero bateu, mas parou na boa saída do croata, que fez defesa. Em seguida, Sané conseguiu tirar do goleiro, mas acabou errando o alvo, batendo à direita do gol.

A insistência do time de Guardiola foi premiada aos 26, em mais uma jogada iniciada com ligação direta do meio com o ataque. De Bruyne lançou, Sterling recebeu na direita, se livrou da marcação e bateu para defesa do camisa 1 do Monaco. Sané apareceu na esquerda, pegou o rebote e bateu para o fundo do gol.

Apático durante boa parte da etapa complementar, o Monaco reagiu rapidamente e marcou o terceiro, voltando a liderar a eliminatória, aos 32, quando Lemar cobrou falta com precisão na área e achou Babayoko, que raspou de cabeça para as redes.

Depois do gol sofrido, o Manchester City não mostrou mais forças para conseguir marcar novamente. Ao time da casa, bastou se segurar na defesa e não errar, o que aconteceu até o apito final da partida.


Ficha técnica:.

Monaco: Subasic; Sidibé, Raggi (Touré), Jemerson e Mendy; Bakayoko, Fabinho, Lemar, Bernardo Silva e Mbappé (Moutinho); Germain (Dirar). Técnico: Leonardo Jardim.

Manchester City: Caballero; Sagna, Stones, Kolarov e Clichy (Iheanacho); Fernandinho, De Bruyne e Silva; Sterling, Sané e Agüero. Técnico: Josep Guardiola.

Árbitro: Gianluca Rocchi (Itália), auxiliado pelos compatriotas Mauro Tonolini e Filippo Meli.

Gols: Mbappé, Fabinho e Babayoko (Monaco); Sterling (Manchester City).

Cartões amarelos: Babayoko, Lemar e Germain (Monaco); Sagna, De Bruyne e Sterling (Manchester City).

Estádio: Stade Louis II (Mônaco). EFE