Andrés se irrita com Doria e diz que decisão sobre treinos não tem base médica

CAMILA MATTOSO
Folhapress
***FOTO DE ARQUIVO*** São Paulo, SP, BRASIL, 20-02-2013 - Para Segunda feira na FOLHA. Exclusivo. Entrevista exclusiva com Andres Sanchez (ex diretor de futebol na CBF) em bar no Paraiso. Andrez faz oposicao a Marin na CBF(Foto Eduardo Knapp/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** São Paulo, SP, BRASIL, 20-02-2013 - Para Segunda feira na FOLHA. Exclusivo. Entrevista exclusiva com Andres Sanchez (ex diretor de futebol na CBF) em bar no Paraiso. Andrez faz oposicao a Marin na CBF(Foto Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, atacou a decisão tomada nesta quarta-feira (17) pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB-SP). O tucano anunciou que treinos só poderão ser retomados em 1º de julho, o que irritou cartolas.

“Não sei que área médica ou científica o governador está seguindo. Libera shopping e comércio onde ninguém é testado e não libera o treino para o futebol com CT fechado, para 40 pessoas testadas e com protocolo rígido. Precisa explicar por qual meio ele está se guiando. É para ficarmos preocupados com suas orientações”, disse Sanchez.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Ainda não há uma data para o recomeço do Campeonato Paulista, paralisado desde o dia 16 de março diante da pandemia de Covid-19.

Os clubes pretendiam voltar a treinar a partir de segunda-feira (22), no entanto, deverão assinar protocolos sanitários com a FPF (Federação Paulista de Futebol) e com prefeituras.

A decisão também contrariou o presidente da federação, Reinaldo Carneiro Bastos, que ficou sabendo dela por meio do anúncio feito pelo governador. Em nota, a FPF disse que a autorização para retornar apenas em julho "causou estranheza".

"As regras deverão ser cobradas dos clubes", disse Doria. "A retomada das partidas será avaliada em fases posteriores e sempre em conjunto com a Federação Paulista. Acredito que nenhum dirigente queira expor seus atletas e técnicos ao risco do coronavírus."

Leia também