André Rizek comenta as polêmicas saídas de Vítor Pereira e Dorival Júnior

Vitor Pereira e Dorival Júnior não chegam a acordo por renovação de contrato (Foto: Paula Reis / Flamengo; Rodrigo Coca / Agência Corinthians)


O Flamengo não continuará com Dorival Júnior no comando da equipe para a próxima temporada. A diretoria do clube rubro-negro busca agora a polêmica contratação de Vítor Pereira, ex-técnico do Corinthians.

O contrato do português se encerra no final deste ano com o clube paulista e as partes não chegaram a um acordo de renovação. Em publicação nas redes sociais, o apresentador André Rizek analisou a saída do treinador do Timão e o possível acerto com o Flamengo.

+ Confira trajetória de Vítor Pereira, possível treinador do Flamengo

- Vítor Pereira fez a escolha que 9 entre 10 profissionais, de qualquer área, fariam. Ao final de um contrato, buscar um emprego melhor. A exceção seria aquele profissional que tem algum vínculo afetivo, razão pessoal para recusar um emprego melhor. Não era o caso dele - publicou o jornalista.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O jornalista ainda falou sobre as alegações de Vítor Pereira "não gostar" de trabalhar no Brasil. Em negociação com o Corinthians, o português alegou questões pessoais para não chegar a um acordo de renovação. Desse modo, Rizek compara a realidade dos dois clubes.

- Não curtir trabalhar no Brasil, pelo calendário, é uma coisa. Estando no Flamengo é outra. O clube tem muita mais condição de amenizar nossas mazelas que o Corinthians, e qualquer outro por aqui, por ora. Sem falar na chance de enfrentar o Real Madrid em uma final de Mundial - concluiu.

+ Flamengo: Arrascaeta abre o jogo e se despede de Dorival nas redes sociais

O jornalista ainda comentou o lado do Flamengo com Dorival Júnior, que também não chegaram a um acordo de renovação. Em argumentação, Rizek destaca que é preciso ter uma analise mais profunda dos trabalhos dos técnicos no Brasil.

- O mesmo se aplica a Flamengo e Dorival. A coisa mais normal do mundo é, ao final de uma temporada, avaliar a permanência da comissão técnica. Não pode ser apenas "ganhou é bom, perdeu vai embora" - analisou.