Anderson Silva admite que está se afastando cada vez mais das lutas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 18.07.2013 - Entrevista com o lutador de MMA Anderson Silva em hotel na Oscar Freire, em São Paulo. (Foto: Joel Silva/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 18.07.2013 - Entrevista com o lutador de MMA Anderson Silva em hotel na Oscar Freire, em São Paulo. (Foto: Joel Silva/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Às vésperas de enfrentar Bruno Caveira em exibição de boxe neste sábado (14), Anderson Silva admitiu que está se afastando cada vez mais do mundo das lutas. Aos 47 anos, o ex-campeão do UFC ponderou que ainda ama estar no esporte, mas disse, em entrevista ao Combate, que sua vida "já tomou outros rumos".

"Todo atleta de alto nível se cobra, mas estou num novo momento. A luta ainda é uma coisa que amo muito, que gosto muito, é algo que enquanto eu tiver ainda condições de fazer, enquanto Deus continuar me abençoando com saúde e capacidade técnica para continuar treinando e podendo lutar em alto nível, vou estar fazendo. Mas minha vida já tomou outros rumos. Tenho que cuidar das minhas empresas, dos meus negócios, tanto no Brasil como em Los Angeles. Aqui [em Dubai] a gente está abrindo um negócio também. A luta é algo que está se afastando, está ficando para trás".

Anderson Silva fará sua terceira luta de boxe depois de quase 15 anos no UFC, organização da qual se afastou em 2020. Na nobre arte, foram duas vitórias, contra Julio César Chávez Jr. e Tito Ortiz, em menos de um ano.

"Treino boxe há muito tempo, comecei a treinar há muitos anos no Corinthians. Mas acho que tudo que acontece na vida da gente tem que acontecer na hora certa. Deus sabe de todas as coisas, e ele coloca tudo no lugar certo e na hora certa".

Quando ainda estava no UFC, revelou o desejo de lutar contra Roy Jones Jr. no boxe, mas Dana White, presidente do evento, nunca o liberou para uma . Apesar do desejo, Spider diz que não convive com frustações e que o UFC é passado.

"Não, absolutamente nada (de frustração). Na verdade, na época em que sugeri essa luta de boxe com Roy Jones era nada mais, nada menos, o que aconteceu depois com Conor McGregor e Floyd Mayweather. A minha visão já vinha lá de trás, eu já tinha dado essa deixa lá atrás, mas não aconteceu, enfim... O UFC para mim é passado."

Neste sábado, em Dubai, Spider enfrenta Bruno Caveira em uma luta exibição, na categoria até 88 kg, no Global Titans Fighting 3. O evento principal terá Floyd Mayweather e Don Moore.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos