Análise: Por que nem mesmo as falhas de Bárbara abalam a titularidade dela sob o comando de Pia

·2 minuto de leitura

A falha de Bárbara no gol de Miedema no empate com a Holanda por 3 a 3 chama a atenção. Foi um erro técnico numa cabeçada defensável. Contra a China, ela fizera algumas boas defesas, mas com dificuldade baixa. As saídas de bola pelo alto também costumam assustar. Mas entre virtudes e deficiências, a goleira continua tendo total confiança da técnica Pia Sundhage. Não será o erro deste sábado que vai abalar isso e promover alguma mudança na posição.

Por quê? Porque Pia escolheu Bárbara para o gol assim que assumiu a seleção. A goleira repensou a aposentadoria do Brasil após o fim do Mundial de 2019, quando dissera que se dedicaria aos estudos na área médica – chegou a pedir dispensa da convocação no fim daquele ano para poder estudar para um curso de enfermagem. Mas continuou nos campos pelo Avaí/Kinderman, seu time há cinco temporadas.

É uma aposta da técnica, que tem sofrido críticas por isso. O principal questionamento da imprensa especializada é a titularidade absoluta de Bárbara enquanto a reserva Leticia Izidoro, a Lelê, tem tido melhor desempenho no Benfica, para onde foi no início do ano após ser um dos destaques do Corinthians. No time brasileiro, ela foi duas vezes tanto campeã brasileira quanto da Libertadores. Na edição atual da A1, por exemplo, Bárbara levou 10 gols em 10 jogos disputados pelo Kinderman, que conseguiu se classificar à próxima fase.

Ao optar por Bárbara, ainda em 2019, Pia estava escolhendo seu estilo de jogo para o Brasil. Uma goleira que atua sob as traves e da qual não se pretende que dê a saída de bola. Ao contrário de Lelê, que, no Corinthians sob o comando do técnico Arthur Lira, virou uma referência do time pelo domínio da bola com os pés, além da segurança com as mãos.

Com sua escolha definida, Pia utilizou Bárbara em praticamente todos os jogos da seleção na preparação para Tóquio. Foram 14 partidas e sete gols sofridos. Lelê e Aline, a outra reserva, foram basicamente observadas em treinos e nos seus clubes.

Por isso, mesmo com as falhas, não se justifica uma mudança numa posição tão sensível e num torneio tão curto. Goleiro é posição de confiança do técnico e do time. O gol deste sábado, que não terá interferência tão grande na classificação do Brasil, não trará qualquer abalo na relação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos