Análise: Luan joga fora mais uma chance de mudar a sua história no Corinthians

·2 min de leitura


Uma promessa, que se tornou realidade, entrou no ostracisimo e de lá nunca mais saiu. A derrota do Corinthians por 2 a 1 para o Ceará, na última quinta-feira (25) foi mais uma chance desperdiçada pelo meia-atacante Luan para dar um rumo novo a sua carreira.

Campeão olímpico com a Seleção Brasileira, em 2016, vencedor da Copa do Brasil pelo Grêmio no mesmo ano, e da Libertadores, também pelo Tricolor Gaúcho, em 2017, quando foi considerado o Rei da América, o camisa 7 chegou ao Timão em 2020 para dar uma virada na sua carreira que desde a conquista continental entrou em um limbo. Mas, novamente, o atleta não aproveitou a chance que foi lhe proporcionada.

Luan não era titular pelo Corinthians há cerca de três meses. A última vez havia sido no dia 28 de agosto, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro, na vitória corintiana por 1 a 0 sobre o Grêmio, em Porto Alegre. Antes disso, o jogador havia começado jogando 14 rodadas antes, contra o Red Bull Bragantino, em Itaquera, na quarta partida do clube do Parque São Jorge pelo Brasileirão.

É como se o atleta entrasse esporadicamente, de tempos em tempos, na esperança de todos, a começar do técnico Sylvinho, de que vai voltar a ser o Luan de cinco a seis anos atrás, o que náo acontece.

Contra o Vozão, foram 56 minutos de uma atuação sonolenta, descompassada e preguiçosa de um jogador escalado para jogar como meio-campo, função onde exerceu muito bem em um passado recente.

Enquanto pelo lado direito, da segunda linha de quatro programada por Sylvinho, Gabriel Pereria e Du Queiroz estavam frenéticos, indo para cima dos marcados e buscando jogo, Luan parecia em outra dimensão, aéreo, distante de tudo e errando praticamente todas as tentativas de passes.

Mais uma vez não deu. E há torcedores corintianos, e muitos, que se questionam ferrenhamente se um dia vai dar.

Em entrevista coletiva após o revés para o Ceará, o técnico Sylvinho passou panos quentes, exaltou a entrada de Luan nos treinamentos e não considerou que o atleta deixou escapar mais uma oportunidade,

- Luan é um atleta que tem treinador bem, que estava esperando mais uma chance. É um atleta de grupo, como os demais, e o momento era do Luan, como foram os demais. Não entendo que seja uma questão de aproveitar, ou não, a oportunidade. É um atleta que está, participou e na ausência do Renato (Augusto) era o momento do Luan jogar – disse o treinador corintiano.

Preterido com as chegadas de Giuliano, Renato Augusto, Róger Guedes e Willian e tendo contrato com o Timão até dezembro de 2023 talvez seja o momento da torcia corintiana repensar os motivos de ter Luan em seu elenco e trabalhar para emprestá-lo, para reduzir custos, ou fazê-lo de moeda de troca.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos