Análise: A Juventus não é o PSG, e este Barcelona não é o mesmo

O 3 a 0 que a Juventus aplicou no Barcelona, ​​no jogo de ida das quartas de final da Champions League, na última terça-feira (11), terminou de desmoronar um clube que já chegou cambaleando em Turim.

Se bem que a virada após o 4 a 0 diante do PSG na rodada anterior mantém a esperança viva, no entanto, não é apenas o adversário que é mais experiente do que naquela época, mas também o clube catalão que não chega ao jogo de volta nas mesmas circunstâncias que fez o 6 a 1 e conseguiu seguir na competição.

Naquela fase, o Barcelona teve muitos dias para se preparar para o jogo de volta, de se preparar mentalmente, ser forte e até mesmo cozinhar a virada através da mídia e das redes sociais. Agora, o time de Luis Enrique irá de final em final em todos os jogos do Campeonato Espanhol e da Champions, sem tempo para 'lamber suas feridas'.

Buffon Iniesta Juventus Barcelona Champions League 11 04 2017
 Getty Images

A derrota na última rodada de La Liga diante do Málaga comprometeu os planos do Barça de encostar de vez no líder Rea Madrid, que tinha deixado escapar dois pontos ao empatar com o Atlético de Madrid em pleno Santiago Bernabéu pouco antes. 

Expulso pela primeira vez com a camisa do Barça após dois evitáveis cartões amarelos e, por último, mas não menos importante, Neymar deixou o campo fazendo gestos para o quarto árbitro, que não só deixou a equipe comprometida contra o Málaga, mas também nas próximas partidas, incluindo um derby contra o Real Madrid, e saiu como um dos vilões da derrota.

Com os últimos acontecimentos, a atmosfera em Barcelona está longe do ideal para apresentar uma nova virada histórica contra a Juventus igual a que aconteceu diante do PSG há algumas semanas e que agora parece tão distante.