ANÁLISE: Ex-chefe da Ferrari, como Domenicali chegará ao comando da F1?

Redação Motorsport.com
·6 minuto de leitura

O novo presidente e CEO da Fórmula 1, Stefano Domenicali, começa sua nova função neste mês, trazendo a recente experiência do mercado automotivo para o esporte em um momento vital, enquanto planeja sua estratégia de longo prazo.

Muito do trabalho de base para as próximas temporadas já está concluído, incluindo a assinatura dos termos comerciais para as equipes da F1 com o novo Pacto de Concórdia. A plataforma do chassi de 2022 foi definida, com as especificações do motor híbrido de 2026 próximas a serem decididas em conjunto com outro ex-Ferrari, o diretor esportivo, Ross Brawn.

Stefano Domenicali

Stefano Domenicali<span class="copyright">Simon Galloway / Motorsport Images</span>
Stefano DomenicaliSimon Galloway / Motorsport Images

Simon Galloway / Motorsport Images

“Vejo isso como uma oportunidade para a indústria do automobilismo se remodelar”, explicou o então CEO da Lamborghini e presidente da Comissão de Monopostos da FIA, em entrevista ao Motorsport.com no início de 2019. “Precisamos ter uma linha de base zero para considerar como reconstruiremos, considerando que nos próximos anos a situação vai melhorar e o automobilismo continuará sendo uma plataforma muito importante para nossa indústria.”

Do F1 paddock para as ruas

Nascido em Ímola, a história de trabalho de Domenicali inclui passagens por duas das marcas mais famosas da Itália. Ele ingressou no departamento financeiro da Ferrari logo depois de se formar na Universidade de Bolonha em 1991 e, no ano seguinte, tornou-se diretor de corridas no circuito de Mugello.

Enquanto isso, ele continuou a subir na Ferrari, se tornando gerente de equipe em 1996 e Diretor Esportivo em 2002 antes de assumir o cargo de chefe da equipe em 2008, uma promoção que aparentemente o colocou no topo do time na F1.

Stefano Domenicali, Ferrari Sporting Director

Stefano Domenicali, Ferrari Sporting Director <span class="copyright">Sutton Images</span>
Stefano Domenicali, Ferrari Sporting Director Sutton Images

Sutton Images

A Ferrari, em particular, tem uma história bem documentada de transferência de tecnologia entre seus esforços da F1 e os carros de rua que produz: uma transmissão com paddle shifted apareceu pela primeira vez no carro de F1 da Ferrari em 1988 e, posteriormente, ganhou sua corrida de estreia.

Em poucos anos, esse projeto se tornou a norma para a F1 e, em 1997, a Ferrari estava oferecendo paddle shifters controlados eletro-hidraulicamente no modelo 355. Pouco depois, a montadora também foi pioneira no uso de carbono para reduzir o atrito em seus motores de F1, uma inovação que foi posteriormente introduzida no carro de produção 458 Italia. Ambas as tecnologias agora são comuns em veículos de produção.

Domenicali se demitiu da Ferrari em abril de 2014, depois que a equipe fez um péssimo início de campanha na F1 no primeiro ano da era híbrida. Poucos meses depois, ele foi contratado pela Audi e dois anos depois por chefes do Grupo Volkswagen para suceder Stephan Winkelmann como CEO da Automobili Lamborghini S.p.A.

Embora já se tenham passado décadas desde que a Lamborghini teve qualquer envolvimento direto na Fórmula 1, a montadora também usou o automobilismo como campo de testes para tecnologias sob o mandato de Domenicali com esforços no IMSA, na Super Trofeo.

Lamborghini Super Trofeo start action

Lamborghini Super Trofeo start action<span class="copyright">Lamborghini Super Trofeo</span>
Lamborghini Super Trofeo start actionLamborghini Super Trofeo

Lamborghini Super Trofeo

Embora se fale em "tecnologia derivada do automobilismo" nos veículos de produção de hoje, a realidade é que categorias de alto nível, como a F1, realmente fornecem o fórum ideal para os fabricantes de automóveis permitirem que seus engenheiros experimentem e inovem. Poucos ambientes fornecem algo tão exigente quanto as corridas e, embora algumas ideias funcionem enquanto outras não, esse processo de verificação fornece o caminho para a inovação de carros de produção, particularmente no contexto de desempenho.

Dada a experiência de Domenicali na Ferrari, Lamborghini e FIA, é razoável supor que ele entenda o valor da transferência de tecnologia para um segmento da economia global tão massivo quanto a indústria automobilística.

Trabalhando em ambos os lados da cerca

Ferrari e Lamborghini são marcas que são sinônimos de desempenho, mas as filosofias são substancialmente diferentes. Enzo Ferrari foi um piloto primeiro e um fabricante de automóveis depois, e as corridas foram sua principal prioridade que guiou o navio desde a fundação da Ferrari SpA em 1947. Como resultado, a Scuderia Ferrari é a equipe mais bem-sucedida e mais duradoura na história da Fórmula 1.

A Lamborghini, por outro lado, adotou uma abordagem diferente. Embora a empresa tenha sido fundada em 1963, as corridas apoiadas pela fábrica não foram uma consideração para a montadora por décadas, já que Ferruccio Lamborghini considerava o automobilismo muito caro, que drenava os recursos da empresa.

Nicola Larini, Team Modena - Lamborghini 291

Nicola Larini, Team Modena - Lamborghini 291<span class="copyright">Motorsport Images</span>
Nicola Larini, Team Modena - Lamborghini 291Motorsport Images

Motorsport Images

Embora a Lamborghini tenha servido como fornecedora de motores para várias equipes de F1 de 1989 a 1993 - incluindo o projeto da Modena, seus esforços não começaram de verdade até 1996, quando a empresa estabeleceu uma categoria com o Diablo SV-R com motor V12.

Mesmo assim, o cliente continua a ser a principal prioridade para a empresa - seja medido pelos 400 carros de corrida que a Lamborghini Squadra Corsa vendeu para privados desde que o departamento foi estabelecido em 2013, ou pelo recente sucesso de seu novo SUV de estrada, o Urus, que ajudou a marca a estabelecer um recorde de vendas em 2019, com Domenicali.

É interessante considerar que as culturas da Ferrari e da Lamborghini - e as funções de Domenicali dentro dessas empresas - exigiram perspectivas e conjuntos de habilidades notavelmente diferentes, embora ambos se apliquem no contexto da Fórmula 1.

Como o principal tomador de decisões para o esforço da Ferrari na F1, Domenicali tem conhecimento em primeira mão das complexidades do esporte que poucos executivos têm, junto com uma compreensão íntima de que a tecnologia, a competição e os competidores são o que tornam o esporte interessante. Seu tempo como diretor da Comissão de Monopostos da FIA certamente não prejudicou a esse respeito.

Ross Brawn, Managing Director of Motorsports, FOM and Stefano Domenicali, Chief Executive FOM

Ross Brawn, Managing Director of Motorsports, FOM and Stefano Domenicali, Chief Executive FOM <span class="copyright">Charles Coates / Motorsport Images</span>
Ross Brawn, Managing Director of Motorsports, FOM and Stefano Domenicali, Chief Executive FOM Charles Coates / Motorsport Images

Charles Coates / Motorsport Images

Mas seu trabalho na Lamborghini aponta para um foco igualmente importante de qualquer empreendimento: viabilidade. A Fórmula 1 - ou qualquer esporte motorizado - simplesmente não pode sobreviver sem o apoio contínuo de seus fãs (e o interesse de patrocínio que eles encorajam) e um CEO eficaz deve encontrar uma maneira de apaziguar os dois lados da equação. É importante ressaltar que Domenicali reconheceu essas preocupações e sua nomeação teve uma resposta positiva.

Mas a liderança bem-sucedida costuma ser um exercício de compromisso. Com águas desconhecidas pela frente, o maior desafio de sua carreira ainda pode estar pela frente.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Confira DEZ motivos para ficar ligado na temporada de 2021 da F1

PODCAST: Quem ou quais foram os maiores fiascos da F1 em 2020?

Your browser does not support the audio element.