ANÁLISE: Empurrado pela Fiel, Corinthians jogou no 'modo Libertadores' para bater o Boca

Maycon vibrando com o gol marcado (Foto: Rodrigo Coca / Agência Corinthians)


O torcedor brasileiro costuma dizer que as noites de Libertadores são diferentes. Para ganhar a partida, é preciso dar 101% dentro de campo, e o Corinthians, com o apoio de quase 42 mil torcedores em sua Arena, fez um jogo digno dentro do espírito desta competição ao vencer merecidamente o Boca Juniors na Neo Química Arena, por 2 a 0.

> GALERIA - Maycon brilha em vitória do Timão contra o Boca; veja notas

O Timão não foi desleal, muito menos violento como muitos acham que o seu time deve se portar em um jogo contra um dos gigantes do continente. Não, apesar dos cinco cartões amarelos, o alvinegro entrou ligado e firme, mas sem deixar a catimba subir à cabeça.

A começar por Du Queiroz e Maycon, que formaram a dupla de volantes da equipe, proporcionando muita energia e intensidade no meio-campo. Du, em uma função mais recuada, não deixava nada passar, somando cinco dos 16 desarmes da equipe, segundo o Footstats,

Maycon teve liberdade para se movimentar pelo campo, e foi essa facilidade para cobrir e atacar todas as áreas do gramado que mudaram a história do jogo. O camisa 5, incorporando a melhor fase de Paulinho pelo Corinthians em 2012, apareceu duas vezes na área do Boca como elemento surpresa, e decidiu o jogo com seus dois gols.

> TABELA - Confira e simule os jogos do Corinthians na Libertadores

Mas para que o sistema funcionasse em sua perfeição, um dos meias teve que se fazer mais de uma função. Era difícil afirmar qual a posição de Renato Augusto. Ora ajudava na saída de bola como volante, às vezes até ao lado dos zagueiros. Em outros momentos, aparecia no meio como opção, e era possível vê-lo também como um ponta.

Na entrevista coletiva, Maycon falou sobre a importância de todos os jogadores estarem à disposição para ajudar o rendimento da equipe, mesmo que isso não os beneficie individualmente, e Fábio Santos, Fagner, Adson, Willian, Jô, e posteriormente no segundo tempo Mantuan e Róger Guedes, incorporaram esse mantra.

> GUIA - Tudo sobre o Corinthians na Libertadores

A impressão deixada no Dérbi, onde os atletas corintianos pareciam cansados e superados fisicamente, ficou para trás. Jô, mesmo sem nenhuma finalização, foi muito importante para iniciar a pressão no campo de ataque, dando carrinho e não desistindo das jogadas.

Róger Guedes na etapa final ficou preso na zaga argentina a maior parte do tempo, mas mostrou resiliência e, no momento certo, esteve concentrado para fazer a jogada do segundo gol.

João Victor e Raul Gustavo, embora amarelos, foram perfeitos, anulando qualquer ameaça da equipe adversária. Juntos, eles cometeram apenas uma falta e mostraram um elevado nível de foco e comprometimento durante os 90 minutos. A atuação de todo o time fez Cássio ser um mero espectador do show dado pela torcida nas arquibancadas.

Toda a energia e garra vista pelo time dentro do gramado se deu pelo apoio incondicional dos 42 mil loucos na Neo Química Arena, que cantaram juntos e mostraram a razão por trás do apelido "Bando de Loucos".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos