Análise: Corinthians faz tempos distintos na estreia pela Copinha e mostra que tem espírito até na base

·3 min de leitura


'Não vou dizer que foi ruim, também não foi tão bom assim'. E assim caminha a humanidade, como já cantava Lulu Santos. E assim se define a estreia corintiana na Copa São Paulo de Futebol Júnior, na última terça-feira (4), vencendo o Resende, do Rio de Janeiro, por 2 a 1, no estádio Martins Pereira, em São José dos Campos.

A base da escalação inicial do técnico Diogo Siston foi a que encerrou a temporada nas competições sub-20, em 2021, com exceção do zagueiro Lucas Belezi, preterido pelo treinador, e o atacante Felipe Augusto, destaque do sub-17, e com passagem pelo elenco profissional, que ocupou a lacuna de Cauê, que, mesmo inscrito na Copinha, não deve jogar, pois está sendo negociado.

E foi um primeiro tempo distinto em gênero, número e grau em relação ao segundo, em postura e resultado, Mas uma coisa se manteve: o espírito corintiano, aquele que luta até o final, e vence.

A etapa inicial contra os cariocas foi repleta de problemas para o Corinthians.

No ataque, a equipe até criou, mas precisou colocar o pé na forma, com chances claras perdias por Felipe Augusto, Riquelme e Keven.

O meio-campo espaçado tinha dificuldades na contensão de jogadas e na construção ofensiva. As chances criadas foram ou em ligações diretas ou lances laterais, contando com falhas defensivas do adversário.

E se o clube do Parque São Jorge teve chances no primeiro tempo, o Resende também teve, em muitos momentos por conta da marcação frouxa da zaga corintiana.

Ou seja, a engrenagem corintiana pouco funcionou nos 45 minutos iniciais.

Mas tudo mudou no segundo tempo. Um Corinthians mais aceso, ligado e querendo o jogo, não deu espaço para Resende colocar as mangas de fora, como havia sido no primeiro tempo.

E logo aos 11 minutos da etapa final, um golaço de Keven, após boa movimentação ofensiva do lateral-esquerdo e capitão Reginaldo, que levou a marcação, para o camisa 7 cortar para o meio e colocar no ãngulo esquerdo de Pedro, em uma finalização de fora da área extremamente feliz.

Ainda que precisasse do resultado, o time carioca não reagiu, o Timão acertou a marcação central e esteve mais solto, principalmente após a entrada do garoto Biro, de 17 anos, inscrito na Copinha como meia, posição na qual foi campeão estadual sub-17 no fim do ano passado, e que deu mais dinâmica no meio-campo, servindo Rodrigo Varanda que encheou o pé no travessão, em uma bola que poderia ter dado mais tranquilidade ao Timão, que pouco sofreu na etapa final.

Mas a emoção ficou guardada para, literalmente, o último minuto, quando trouxe a necessidade da garotada já mostrar que sabe o que é Corinthians.

Aos 44 minutos do segundo tempo, o garoto Kaio, de 16 anos, e que havia acabado de entrar pelo Resende, é derrubado na área pelo capitão corintiano Reginaldo, que fazia ótima partida. Bismarck cobrou e converteu aos 45 minutos e 30 segundos da etapa final.

Era hora de ser Corinthians, e os meninos foram, quando aos 48 minutos, Matheus Araújo iniciou e terminou a jogada que garantiu o Triunfo ao Timão. Antes da finalização precisa no canto direito do goleiro Pedro, uma bola enfiada para Biro na esquerda, e dessa vez a assistência veio, na devolução precisa para conclusão perfeita do camisa 10.

Da para relevar o nervosismo da estreia, mas fica uma análise de um desempenho mediano do Timão, principalmente no primeiro tempo. Já um segundo tempo competitivo, mas que dispões de melhoria técnicas e mais intensidade, aquela que vai além de quando o desespero bater e ser necessário recorrer ao espírito corintiano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos