Análise | “Concrete Genie” é sobre magia, restauração e combate ao bullying

Gabriel Magalhães
Divulgação
Divulgação

Dois anos após o seu anúncio oficial, “Concrete Genie” chega ao PS4. O novo exclusivo do console da Sony aposta nos controles de movimento, arte e magia para encantar o jogador. Confira, a seguir a nossa análise.

O universo de “Concrete Genie” se passa em Denska, uma cidade rodeada por poluição e contaminada por uma energia negra que, gradativamente, está apagando e tirando a vida da cidade. O protagonista dessa aventura é Ash, um adolescente solitário que passa o tempo desenhando em seu caderno. Um dia, o grupo de jovens bullies que ronda a cidade decide tomar o caderno de Ash e prendê-lo num bondinho em direção a uma região abandonada. Lá, Ash descobre uma força mágica que dá vida aos seus desenhos e, que eles são a chave para salvar Denska de uma vez por todas.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Seu principal objetivo é salvar a cidade, mas para que isso aconteça, alguns passos precisam ser cumpridos. Ash recebe um pincel mágico capaz de restaurar a luz dos ambientes sem energia e também de dar vida aos seus desenhos, que o ajudam na liberação de obstáculos e abertura de novos caminhos. O progresso no jogo é feito através das restaurações de luz, ou seja, quando uma área está 100% iluminada, uma nova parte do mapa é liberada para o jogador.

Divulgação
Divulgação

A cereja do bolo em “Concrete Genie” é a sua jogabilidade. Os desenhos que Ash faz pelas paredes são criados pelo jogador. Sim, isso mesmo. Existem alguns moldes pré-programados, mas o formado de cada um dos desenhos, bem como seus acessórios, é feito através do sensor de movimentos do DualShock 4, ou seja, você move o controle como um Wii Mote para criar seus ajudantes. E não para por aí. As repinturas de outdoors e demais artes pelo cenário também são construídas da mesma forma.

Puzzle, colecionáveis, busca por novas páginas do caderno, também fazem parte do gameplay. Em alguns momentos, também é necessário agir de forma sorrateira (stealth) para fugir dos bullies. Basicamente, é necessário distraí-los para a direção oposta e seguir em frente para onde você deseja ir.

“Concrete Genie” se parece, e muito, com filmes de animação. Os gráficos cartunizados, personagens mágicos, um garoto incompreendido como protagonista. Tudo que um bom filme deve ter. A história é simples, fácil de acompanhar e bem cativante. O tema bullying é abordado no jogo, e é difícil comentar sobre isso sem dar spoilers da trama, mas pode-se dizer que a ideia de expor os dois lados da moeda mostrando a realidade de quem sofre e de quem pratica bullying foi genial.

Divulgação
Divulgação

Conclusão

Com cerca de 6 hora de duração, “Concrete Genie” é um game fácil e divertido para se jogar no fim de semana. O foco não é a dificuldade, muito menos apresentar grandes vilões de desafios, mas sim, permitir ao jogador soltar a imaginação ao criar desenhos-ajudantes únicos, buscar novas artes para pintar a cidade e restaurar Denska da forma mais divertida possível. Este é um jogo para adultos e crianças e perfeito para se aproveitar em família.

Divulgação
Divulgação

Prós

  • Criar seus próprios desenhos é muito divertido

  • Dublado em português

  • Debate sobre o bullying de forma sutil e criativa

Contras

  • Os textos dos jornais encontrados pelo game não tem legenda, apenas a manchete

  • Os controles por movimentos do DualShock poderiam ser mais precisos

Uma cópia do jogo para PS4 foi fornecida pela Sony para elaboração desta análise.

Leia também