Análise: como Abel Ferreira potencializa Gabriel Menino e Rony

LANCE!/NOSSO PALESTRA
·3 minuto de leitura


O treinador Abel Ferreira impressionou a todos com um grande conhecimento do elenco logo em sua chegada. Dois meses depois, ele está a um passo da final da Libertadores. Na vitória contra o River Plate, Gabriel Menino e Rony mostraram o porquê de serem peças chaves para o Palmeiras.

- Quem vem por aí: veja promessas que podem aparecer nos clubes brasileiros

Possivelmente o melhor jogador da equipe desde a chegada do técnico português, Menino é um coringa para Abel. Graças a sua versatilidade, por exercer múltiplas funções dentro de campo e por ter muita qualidade com e sem a bola. Seja pelo meio ou pela lateral, é um grande articulador.

A jovem Cria da Academia, quando aproveitada pelo centro, já recuou junto aos zagueiros para fazer a saída de três, chegou na área para finalizar e utilizou sua capacidade de condução e passe para fazer o time avançar com a posse. Na lateral, executou basicamente as mesmas coisas.

Confira a classificação do Brasileirão 2020

AV
AV

(Linha de 4 no meio-campo, com Menino na meia direita. Imagem: Análise Verdão)

Em Buenos Aires, foi escalado como um meia direita no 4–4–2 inicial escolhido por Abel. Seria importante recompondo e auxiliando Marcos Rocha, puxando as transições e articulando jogadas para os atacantes.

AV
AV

Linha de 5 na defesa. Imagem: Análise Verdão

Contudo, aos 7 minutos, percebendo a linha defensiva sobrecarregada pela quantidade de atletas do River que chegavam na área, especialmente no setor de Marcos Rocha, o técnico alviverde fez uma mudança: trouxe Gabriel Menino para a ala direita, transformou o camisa 2 em zagueiro e montou uma linha de cinco defensores. Assim sendo, o Verdão teve superioridade numérica na defesa e criou uma verdadeira barreira na entrada da área para impedir a criação adversária.

AV
AV

Superioridade numérica dentro da área. Imagem: Análise Verdão

AV
AV

Início do lance da grande defesa de Weverton, no começo do jogo. Imagem: Análise Verdão

A utilização do jogador de 20 anos em tantas posições diferentes demonstra o total domínio de Abel Ferreira sobre as características de seus atletas. Rony é mais um exemplo disso. Normalmente escalado pelas pontas, se destaca pela velocidade, explosão e ataque à profundidade. Ótimas virtudes para jogar por dentro.

E o lusitano sabe disso. Com Luiz Adriano machucado, ele não teve dúvidas em apostar em Rony por ali, como um atacante de mobilidade, que sempre busca uma brecha entre os zagueiros e laterais para correr nas costas das defesas rivais. Conclusão: sete gols e quatro assistências nos últimos 12 jogos.

AV
AV

Como sempre, Rony no espaço entre zagueiro e lateral, ou meio-espaço. Imagem: Análise Verdão

Contra o River, ele iniciou como dupla de ataque de Luiz Adriano no 4–4–2 citado acima. Com a mudança para a linha de cinco na defesa, virou um ponta direita, mas não jogou totalmente aberto, grudado na linha lateral. Seguiu buscando entrar na área e no espaço entre Pinola e Casco, zagueiro e lateral-esquerdo adversários.

Daqui até fevereiro, o Palmeiras será assim. Como diz Abel, com 'cabeça fria e coração quente', Gabriel Menino em múltiplas funções e Rony por dentro, jogando no limite da linha de impedimento, sempre preocupando a defesa adversária com uma possível infiltração.