ANÁLISE: Após 3º lugar em 2020, dá para a McLaren sonhar com voos mais altos?

Luke Smith
·5 minuto de leitura

A McLaren foi capaz de garantir o terceiro lugar no Mundial de Construtores de 2020 depois de superar uma desvantagem de 10 pontos para a Racing Point na corrida final, com Lando Norris e Carlos Sainz terminando em quinto e sexto, respectivamente, marcando a melhor temporada da equipe desde 2012.

Mas uma das partes mais atraentes do fim de semana da McLaren em Abu Dhabi foi seu desempenho na classificação, especialmente o de Norris.

Leia também:

F1: Chefe da McLaren diz que infraestrutura desatualizada ainda é ponto fraco da equipe Atualizações rápidas são chave para progresso da McLaren, diz chefe da equipe Modelo de negócios "frágil" da McLaren podia travar seu progresso na F1

Armado com um novo motor da Renault, Norris foi capaz de se qualificar em quarto lugar em Yas Marina, mas estava a apenas 0s251 da pole position - uma pequena margem para os padrões normais. Foi um resultado que chamou a atenção do campeão mundial Lewis Hamilton.

“Estou muito feliz em ver a McLaren tão perto”, disse Hamilton sobre sua ex-equipe. “Eles usarão nosso motor no próximo ano. É ótimo ver que eles estão terminando o ano com um bom carro.”

“Talvez eles possam lutar conosco no próximo ano. Se isso resultar em um campeonato decidido por três equipes, seria incrível para os fãs.”

A queda da Ferrari separou os "três grandes" de longa data da F1 da era híbrida V6 em 2020 e apimentou a luta do meio de grid. Embora a McLaren não tenha conseguido vencer uma corrida, ao contrário da Racing Point e AlphaTauri, ela foi a maior beneficiada com a mudança na ordem.

Mas para o CEO da McLaren Racing, Zak Brown, o sucesso de sua equipe não foi simplesmente o caso de tirar a Ferrari dessa equação. Ele calculou que a diferença para a Mercedes já havia diminuído em 2020.

“Nossas expectativas [na pré-temporada] eram de continuar a diminuir a diferença para a frente”, disse Brown.

“Do ponto de vista de competitividade pura, confiabilidade e desempenho, demos um passo à frente. Portanto, no geral, estou muito satisfeito com o progresso, mas claramente ainda há um longo caminho a percorrer.”

A oscilação entre a classificação de Abu Dhabi em 2019 e 2020 é enorme. Para o final da temporada do ano passado, Norris terminou 1.6s atrás do tempo da pole position de Hamilton. Desta vez, ele estava apenas 0s165 atrás do piloto da Mercedes.

Naturalmente, a imagem é ofuscada pela nova unidade de potência de Norris para o final da temporada, quando os carros da Mercedes estavam rodando em um modo conservador após uma longa temporada.

Analisando os números, a diferença média entre McLaren e Mercedes diminuiu de fato até 2020 - mas não por uma quantidade enorme.

De 21 corridas em 2019, a Mclaren foi superada em uma média de 1.28s pela Mercedes líder. Este ano, a diferença caiu para 1.14s.

É uma queda, mas não o tipo de mudança sísmica sobre a qual Hamilton estava excessivamente otimista - nem algo que a própria McLaren estava se deixando levar.

“Obviamente, é bom para todos nós da McLaren que Lewis, que começou sua carreira na McLaren, e ganhou seu primeiro título conosco, esteja respeitando e observando o progresso que estamos fazendo como equipe”, disse o chefe da equipe Andreas Seidl.

“Mas temos uma imagem clara e realista de onde estamos como equipe. Sabemos que vai demorar até que tenhamos tudo no lugar que precisamos para lutar pelas primeiras posições na Fórmula 1 novamente.”

“Estamos trabalhando muito para melhorar a organização da equipe, melhorar a maneira como trabalhamos juntos, e também estamos trabalhando muito para reduzir o déficit que temos no lado da infraestrutura, em comparação com as principais equipes da Fórmula 1 no momento.”

“Enquanto não tivermos concluído o processo, existe uma realidade. Temos uma equipe muito talentosa, uma equipe muito motivada, e simplesmente precisamos continuar trabalhando.”

Uma das principais mudanças para impulsionar a McLaren em 2021 é a chegada das unidades de potência da Mercedes, reacendendo a famosa parceria de trabalho do final dos anos 90 e 2000.

“A equipe está muito animada com a parceria e a Mercedes também”, disse Brown. “Há muitas pessoas de ambos os lados que estavam juntas quando estavam vencendo corridas e campeonatos, e há muita familiaridade um com o outro.”

“Por tudo que me disseram, você pode ver o quão bem preparada a Mercedes está para atender seus clientes com suas comunicações, prazos e máquinas.”

“Todo o feedback que recebo da equipe técnica mostra o quanto eles estão animados e como a colaboração está indo bem. Tudo o que estou ouvindo é muito positivo.”

Pode não ser o suficiente para a McLaren entrar na briga e lutar por vitórias ao lado da Mercedes e da Red Bull, como Hamilton pode desejar, mas os números certamente estão indo na direção certa.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Confira DEZ motivos para ficar ligado na temporada de 2021 da F1

PODCAST: Quem ou quais foram os maiores fiascos da F1 em 2020?

Your browser does not support the audio element.