ANÁLISE: Abalo emocional pós-final pesa, e Corinthians precisa recuperar o foco para reta final do Brasileirão

Vital em ação contra o Flu (Foto: Rodrigo Coca / Agência Corinthians)


O Corinthians ainda não processou a derrota na final da Copa do Brasil para o Flamengo, e os efeitos do vice-campeonato estão afetando negativamente a equipe dentro de campo. No revés por 2 a 0 contra o Fluminense, o Timão foi irreconhecível em questão de concentração e organização.

+ Laterais deixam a desejar em derrota do Corinthians contra o Fluminense

Um dos grandes méritos de Vítor Pereira foi restabelecer a força do Corinthians na Neo Química Arena, mas sua equipe foi amplamente dominada pelo Tricolor das Laranjeiras, do começo ao fim.

O Timão não ficou em seu campo defensivo e montou linhas de pressão para desestabilizar a característica saída de bola de Fernando Diniz, mas ao contrário do que aconteceu nos confrontos da Copa do Brasil, a pressão não foi efetiva e o Flu saiu com fluidez da defesa ao ataque.

Na bola parada e na desatenção corintiana, os cariocas abriram o placar com Cano, aos 11 minutos, escancarando o problema que tanto assombra o Timão nesta temporada: os gols nos minutos iniciais.

Sem importantes peças da equipe, como Maycon, Adson e Yuri Alberto, Vítor Pereira não mudou o esquema tático, mas fez pequenas alterações no posicionamento dos jogadores, que não surtiram efeito. A principal delas foi com Róger Guedes. O camisa 10 atuou centralizado no ataque e ficou isolado do jogo.

A maré de azar do Corinthians aumentou ainda no primeiro tempo, com as lesões de Gustavo Mosquito e Renato Augusto. O técnico português colocou Ramiro e Giuliano para repor os lesionados.

+ Veja tabela e simule a reta final do Campeonato Brasileiro

Após o intervalo, o Timão seguiu no mesmo marasmo ofensivo. A trinca de meias foi engolida pela velocidade na troca de passes do Fluminense, os laterais deixavam espaços e pouco contribuíam no ataque, deixando os jogadores mais ofensivos isolados na frente.

O combo da desorganização resultou no segundo gol de Cano, onde Bruno Méndez demorou para fechar o cruzamento de Calegari, e Fábio Santos deu espaço demais para o argentino fazer novamente o L em Itaquera.

O único momento de lucidez do Corinthians no ataque foi quando Vítor Pereira deslocou Du Queiroz para atuar na lateral-direita e colocou Roni e Giovane em campo. Assim, Vital passou a ser mais acionado, e Giovane só não descontou nos minutos finais pois Fábio fez grande defesa no chute do atacante.

A derrota para o Fluminense não preocupa o Timão em relação a vaga direta à fase de grupos da Libertadores, haja visto a tendência pela formação de um G8 no Brasileirão, mas deixa o alerta ligado para os níveis emocionais e de concentração do elenco nesta reta final de temporada.

A situação sobre o 'fico' de Vítor Pereira só será resolvida após o Brasileirão, e a missão do treinador, independente da permanência, é motivas seus atletas depois de um baque tão forte como a derrota nos pênaltis para o Flamengo.