Em amistoso contra a Colômbia, Falcão marca e se despede da Seleção

O domingo amanheceu triste. Não poderia ser diferente no dia em que Falcão se despede, oficialmente, da Seleção Brasileira de futsal. O resultado do Desafio Internacional contra a Colômbia, que até foi vencido pelo Brasil por 3 a 2, não era o principal destaque da partida acontecida na Arena da Barra, no Rio de Janeiro: quando se tem a despedida do melhor jogador da história do esporte, que coleciona 25 títulos pelo seu país, o foco não pode ser outro. E Falcão não decepcionou.

Sem começar jogando, até por conta de a Seleção estar passando por reformulação, o ala de 39 anos abriu o placar no seu primeiro toque na bola. Em jogada de lateral, ele recebeu o passe, bateu de primeira, de longe, e o goleiro colombiano aceitou. Além dele, Alex e Leandro Lino fizeram para o Brasil. Camilo Reyes e Angellot marcaram para a Colômbia no jogo que marca a última convocação de Falcão para defender a camisa verde-amarela.

“Parece que as coisas sempre acontecem para mim [falando sobre o gol]. Agora é aproveitar, desfrutar estes 20 minutinhos que faltam. Tive que segurar um pouco a emoção, até porque o jogo não está pedindo festa, o PC está arrumando o time para a Copa América. Mas feliz, feliz de ter mais um gol pela Seleção”, disse, ao SporTV, no intervalo do amistoso.

Em quase 20 anos a serviço do Brasil, Falcão coleciona agora 385 gols em 242 jogos disputados pela amarelinha, mantendo a condição de maior artilheiro de todos os tempos em seleções nacionais dos esportes geridos pela Fifa – futebol, futsal e futebol de areia. No segundo semestre, ainda sem data, Falcão tem marcada outra despedida da Seleção, esta extraoficial, em São Paulo, local onde nasceu.

O jogo – Em clima amistoso, Brasil e Colômbia começaram a partida se estudando, sem forçar muito as jogadas. A Seleção, com os novatos Daniel, Leandro Lino, Marcel e Rocha na linha, não conseguia, nos primeiros cinco minutos, oferecer perigo ao gol adversário. Foi quando então Falcão entrou que as coisas melhoraram, logo de imediato, literalmente. O eterno camisa 12 do Brasil chutou a gol em seu primeiro toque na bola, em lateral que ela foi rolada para trás. O goleiro ainda tocou nela, mas não evitou o último tento oficial do atleta pela Seleção.

Mais calma, e com maior posse de bola, a equipe de PC Oliveira ampliou o marcador com Alex faltando cinco minutos para o intervalo. Após boa jogada individual de Lucas pela esquerda da quadra, Alex recebeu livre, na entrada da área, e encheu o pé para fazer o segundo.

Um minuto depois, Camilo Reyes recebeu na ponta, cortou para o meio e soltou a bomba. Contando com desvio na zaga brasileira, a bola entrou no ângulo, e Tiago não teve chances de defender.

Faltando 30 segundos para o fim do primeiro tempo, Falcão encontrou Leandro Lino no segundo pau, em jogada ensaiada de falta. O jovem promissor teve tranquilidade para dominar e tirar o goleiro antes de ampliar para o Brasil.

No segundo tempo, a Colômbia começou melhor e não demorou para descontar. Em contra-ataque, a bola foi batida para dentro da área e resvalou na mão de Nenê. Corretamente, o árbitro marcou o pênalti – este convertido por Angellot.

Falcão teve mais duas boas oportunidades de fazer outro gol. A primeira, após bela tabela, ele deu um toque sutil de calcanhar, tirando o goleiro da jogada. A bola caprichosamente não entrou. Na segunda, viu o goleiro defender a forte cobrança de falta no ângulo.

Antes do final da partida, o melhor jogador de futsal de todos os tempos ainda ensaiou alguns dribles que levantou o público no ginásio e tentou um chute de longa distância no último lance do jogo. Com o cronômetro zerado, Falcão recebeu abraços e homenagens dos companheiros de equipe.