Amigo de assassino e bolo de aniversário: ex-presidente do Barça relata vida na prisão

Goal.com

Sandro Rosell, ex-presidente do FC Barcelona, deu uma entrevista ao Lo de Évole, na qual deu detalhes de seus quase dois anos de prisão. Vale lembrar que Rosell passou 645 dias entre as prisões de Soto del Real e Can Brians 2, antes de o juiz libertá-lo sem acusação em abril de 2019.

Perguntado quem poderia estar interessado em acusa-lo, ele aludiu a Jaume Roures dizendo que "vendemos os direitos televisivos do clube para a Movistar e deixamos a Mediapro". Nós não somos amigos". E então ele acrescentou outra forma que apontou para o Real Madrid: "Eles não gostaram que nós assinamos Neymar".

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Rosell relembrou como foi seu primeiro dia na prisão: "Chegamos lá, eles nos fizeram tirar a roupa e tomar banho na frente do oficial e nos deram um macacão branco, como os de Guantánamo, mas ao invés de laranja era branco".

O ex-presidente do Barcelona ficou por 21 meses em prisão preventiva por um caso de lavagem de dinheiro. Rosell presidiu o clube catalão entre 2010 e 2014 e, recentemente, disse que quer ver Neymar de volta ao Barcelona. Era ele o presidente quando o brasileiro foi contratado. Lembrando de seus momentos na prisão, ele detalhou sua cela:

"Cerca de cinco metros de comprimento por cerca de dois metros de largura. Havia uma ducha muito pequena, que ficava aberta, e um vaso sanitário de metal. Estou dizendo isso porque eu nunca vou esquecer no inverno, ficava frio, sua bunda congeladava. Sem porta, lá você tem que engolir muito orgulho e intimidade e fazer tudo na frente do seu parceiro", afirmou.

Rosell falou que o futebol o ajudou muito nestes quase dois anos presos. "O fato de ter sido presidente do Barça me ajudou muito, porque o futebol é sempre um elo e tem essa grandeza. Que mesmo com os de Madrid ou Atlético, aí você acaba falando de futebol. No fundo, lá no fundo, nós fãs de futebol nos amamos", disse ele, que também afirmou que, quando possível, presenteava seus parceiros de prisão com presentes do Barcelona.

"Eu nunca vou esquecer um dos dois aniversários que passei na prisão. A primeira. Eles me fizeram um bolo e tudo, e eu fiquei empolgado, e na vida normal eu não os celebro, eu não faço nada", disse.

Ele concluiu que não sabia como era amigo de um assassino: "Como podemos gostar tanto desse cara? Sim, nos tornamos amigos dele e o apreciávamos muito e chegávamos à cela e dizíamos 'como podemos amar um cara que matou?' Ele havia matado sua parceira".

Leia também