Startup oferece aluguel móveis sob demanda ou assinatura

(Foto: Getty Images)
(Foto: Getty Images)

Por Matheus Mans

Depois dos apartamentos, dos carros e dos patinetes, chegou a vez dos móveis serem alugados sob demanda. Quem está trazendo essa tendência ao mercado é a startup Tuim, que oferece um catálogo com cerca de 100 itens para a casa, que podem ser alocados por tempo determinado.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Funciona assim: o usuário entra na plataforma, escolhe os móveis que deseja e a startup os entrega no dia desejado. Com tempo mínimo de três meses, os móveis podem ser devolvidos sem burocracia para a startup, que os reforma e recupera antes que sejam alugados novamente. Durante o aluguel, também são feitas manutenções dos móveis.

Leia também

É possível alugar um sofá por R$ 134 mensais, uma cama box de casal por R$ 245, uma mesa lateral por R$ 18 e uma cadeira de jacarandá por R$ 46.

“Nossos usuários são os chamados seres cambiantes. São aquelas pessoas que mudam de acordo com a fase da vida, seja de casa ou ambiente da residência”, explica Pâmela Paz, fundadora e CEO da startup Tuim. “São executivos que mudam para outra cidade, estudantes que mudam para outras cidades por tempos delimitados.”

Área de atuação

Por enquanto, a Tuim funciona apenas em São Paulo. No entanto, já começa a planejar futura expansão para Curitiba, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. E precisa planejar mesmo: a empresa possui todos os móveis que aluga num galpão próprio. Para expandir para outra praça, assim, a startup tem que comprar mais móveis e arranjar um novo galpão próprio.

Pâmela Paz, fundadora e CEO da startup Tuim (Foto: Divulgação)
Pâmela Paz, fundadora e CEO da startup Tuim (Foto: Divulgação)

A Tuim não revela números de mercado. Mas afirma que está “sentindo” o setor e buscando educar seu público. Afinal, não há outras empresas de aluguel de móveis para usuário final.

“Muitas empresas estão olhando para o futuro da moradia e dizendo que tudo será sob demanda. Sua casa, seu meio de transporte. Qual o sentido de, no futuro, você levar seus móveis de um lugar para o outro?”, questiona Pâmela. “As pessoas querem liberdade para mudar de estilo, mudar de casa. Queremos ajudá-las nesse tipo de transformação”.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Leia também