Aliado de Leila Pereira concorre no Palmeiras à reeleição a presidente do conselho

Yahoo Esportes
Leila Pereira, dona da Crefisa e conselheira do Palmeiras (Gazeta Press)
Leila Pereira, dona da Crefisa e conselheira do Palmeiras (Gazeta Press)

O presidente do Conselho Deliberativo do Palmeiras, Seraphim del Grande, buscará a reeleição no próximo dia 11 de março. Em seu mandato, o presidente Mauricio Galiotte e Leila Pereira, dona da patrocinadora Crefisa, seus aliados, obtiveram vitórias no órgão.

A continuidade de Seraphim no posto é o primeiro dos dois próximos duelos institucionais entre situação e oposição. O segundo, uma semana depois, no dia 18, será a eleição do Conselho de Orientação Fiscal do Clube, fórum no qual Leila tem se desentedido com seus integrantes. O órgão tem questionado rotineiramente os aditivos do contrato firmados entre o clube e a patrocinadora, além de ter reprovado os balancetes mensais do clube. Entre os ex-presidentes, membros natos do órgão, cinco (Mustafá Contursi, Carlos Facchina, Arnaldo Tirone, Affonso Della Monica e Paulo Nobre) tem feito oposição ou são neutros em relação à Crefisa, e apenas um (Luiz Gonzaga Belluzzo) se posiciona favoravelmente à patrocinadora.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Na pauta, estará a aprovação do balanço. A tendência é que o COF emita relatório com observação sugerindo a rejeição pelo conselho deliberativo, o que não necessariamente será acatado por seus membros, mas que abre brecha para futuro questionamento jurídico.

Do lado da oposição, a tendência é de que seu candidato à presidência do conselho deliberativo seja o promotor Roberto Fleury, oriundo da chapa Academia, do ex-presidente Paulo Nobre, e que por isso tem bom trânsito com até com aliados de Galiotte (que era afilhado político de Nobre), além de Mustafá Contursi e grupos como Fanfula. Fleury foi eleito ao conselho com a melhor votação (93) da chapa oposicionista Todos Palmeiras.

O ex-secretário-geral do Palmeiras Elio Esteves, é outro nome considerado pela oposição, já que participou ativamente da campanha do segundo e terceiro conselheiros mais votados da Todos Palmeiras na última eleição, Dimas Ramalho (63 votos) e Gustavo Amaral (57).

A eleição do presidente do conselho e do COF acontecerão já sob um conselho deliberativo parcialmente renovado após a situação ter eleito o dobro de conselheiros que a oposição.

Apesar da confiança de situacionistas no bom desempenho na eleição dos conselheiros, a oposição aposta no fato de o voto no presidente da casa ser secreto e em um possível descontentamento de conselheiros ligados à situação que não foram eleitos nas eleições a conselheiro vitalício ou ao próprio conselho. Há casos em que um pai não foi eleito a vitalício e, na sequência, seus dois filhos tampouco terem sido eleitos ao conselho, ou de aliados próximos à situação não terem conseguido eleger seus parentes de primeiro grau.

Muito provavelmente a situação deve apontar nomes novos para o COF, enquanto a oposição deve defender no geral a manutenção do quadro atual, com a exceção do conselheiro Gilto Avallonne, que não concorrerá por motivo de saúde. O nome do ex-vice de futebol Roberto Frizzo é cogitado a disputar uma das cadeiras do conselho de orientação.

Veja mais de Eduardo Ohata

Leia também