Alexandre Pássaro detona contra arbitragem de Vasco x São Paulo: 'Senso de injustiça irrecuperável'

·5 minuto de leitura


Foram muitas reclamações. Tanto que o Vasco definiu que o técnico Lisca não falaria sobre arbitragem, só o diretor executivo de futebol, Alexandre Pássaro. E o pronunciamento do dirigente após a derrota do time para o São Paulo, nesta quarta-feira, foi duro, direcionado, contundente e, por vezes, até irônico. Diferentes temas da partida em São Januário foram abordados. Outros, de momentos distintos, foram abordados também. Confira, tema a tema.

- Estou com duas folhas na minha frente porque, quando a gente vai falar de arbitragem, a gente tem que anotar para não se perder como eles se perdem, ou não se perdem: fazem o que querem e não são cobrados.

- Para quem trabalha e vive de futebol, concentra, não para, a gente vem de uma temporada de dois anos sem parada... é muito ruim quando vem um instrumento do jogo, os árbitros, embora sejam a estrela atualmente, o que mais se comenta, mais que parte tática, vêm aqui e nos tiram o direito de disputar uma partida de igual pra igual.

CONTRA LEONARDO GACIBA
- Esse negócio de ter força nos bastidores, hoje, é uma coisa difícil de falar. O São paulo foi prejudicado no Brasileiro no sábado e, hoje, foi beneficiado. A arbitragem é ruim, não tem cobrança. Agora, o digníssimo Gaciba (Leonardo, chefe da comissão de arbitragem), não sei se está de férias, trabalhando. Arbitragem é brilhante (ironicamente), eu dou entrevista, Lisca dá entrevista, presidentes dão entrevistas, mas a arbitragem não. O árbitro vai pegar o carro, vai para o hotel, vai voltar. Hoje não responde a ninguém. Gostaria de saber a quem o Gaciba responde hoje.

- Os árbitros são tão ruins que, recentemente, nos preocupamos com o Wilton (Pereira Sampaio), que tinha nos prejudicado contra o Bahia, no campeonato passado. Não tem para onde fugir. Foi escolhido na quinta, um gaúcho (Daronco), assim como o Vuaden. Coincidentemente, um gaúcho (Gaciba) escolheu um gaúcho para hoje e para lá. O Daronco, quando eu estava no São Paulo, expulsou Raniel do São paulo. Hoje, ele veio aqui e prejudicou o Vasco como já prejudicou outros times. Esse árbitro preferiu não ir ao Var para ver a chave de braço do Felipe Melo no Léo Matos. A diferença do Daronco do ano passado para esse é a tatuagem. Mas continuam deixando ele apitar. A Conmebol puniu por tempo indeterminado o árbitro depois de um erro grave. Aqui, de repente ele pega um jogo mole no Nordeste, fora de contexto.

-> Confira a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro

CONTRA DANIEL BINS, DO VAR
- Curiosamente, hoje, o Daniel Bins era o Var. Esse mesmo Daniel não chamou o (Leandro Pedro) Vuaden em Bragança Paulista no campeonato do ano passado. Teve falta no Andrey e ele não chamou. Aí a gente volta, ano passado, indignação quase inútil. Eles estão preocupados com eles. Ninguém dá ordem de eles se preocuparem, é isso que eles fazem. Ano passado, o Wilton era para ter expulsado o Gregore, do Bahia. Teve o gol do Inter ilegal, o Var não pegou, ninguém é punido. Respostas evasivas... caímos (para a Série B) pelos nossos problemas e pelos problemas que nos trouxeram, e hoje fomos desclassificados pelo nossos problemas e pelos problemas que nos trouxeram.

PÊNALTI EM LÉO JABÁ
- Aos 22 minutos, teve um pênalti do Miranda no Léo Jabá. Aquele lance é falta. O Gaciba proibiu escuta e quem esteja na arquibancada, 80 pessoas por time, eles tem a indecência de reclamar de quem reclama com eles.

COMENTARISTA DE ARBITRAGEM
- Sobre o comentarista de arbitragem, o ciclo é o seguinte. O Gaciba era comentarista de arbitragem. O próximo presidente de comissão de arbitragem vai ser um comentarista, que foi árbitro. Não esperem qualquer análise mais profunda e neutra.

GOL DE CANO, ANULADO POR TOQUE DE MÃO DE JUNINHO
- Cinco minutos depois, houve o gol do Cano anulado por uma falta marcada por a bola resvalar na mão do Juninho. A regra mudou em primeiro de julho e tanto não deve ser marcada que o Var chamou. Ele foi ver e disse que a decisão dele era correta. O Jabá, expulso, estava nervoso. A arbitragem enerva o jogo. A arbitragem traz para o jogo um senso de injustiça irrecuperável.

EXPULSÃO DE LISCA
- Eu ouvi o Lisca falando, estava na beira do campo. Um resultado, seja qual for, não pode esconder os erros da arbitragem. Teve pênalti no Galarza não chamado. Eu, lá de cima, vi. O arbitro não viu, entre aspas. Depois expulsa o Castan, que tropeçou no chão, diminuiu a velocidade. A sola do jogador do São Paulo bate no Castan.

- Imagens da Vasco TV mostram os 40 segundos anteriores à expulsão do Lisca, que está mexendo no relógio. O que ele fez foi tirar o Lisca do jogo para não reclamar com ele após o fim do jogo. As pessoas que foram lá ouviram: "Manda o Lisca reclamar na coletiva". Se a gente fala alguma coisa errada, vamos a julgamento. Se o árbitro coloca alguma coisa sobre alguém na súmula, esse alguém vai a julgamento. É poder infinito, que só cresce ano a ano. Hoje estou aqui reclamando e pode ser pela ruindade dos árbitros que, sábado, o Vasco seja beneficiado. Garanto que os 40 times das Séries A e B já reclamaram esse ano. O que a gente acredita é no que a gente vê. Programas e entrevistas são divididos nisso. Parece que falei de cinco jogos, mas foi um só. Comentários dos oficiais sobre a expulsão do lisca foram vexatórios: "Não entendi." jogadores do São Paulo, com quem eu tenho boa relação, disseram: "Sábado a gente, hoje vocês." então vamos usar de combustível, vamos nos indignar, não vamos dormir de novo. Vamos continuar indo no STJD. Vamos continuar trabalhando para que nosso objetivo seja cumprido, apesar dessas aberrações no Vasco e no futebol brasileiro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos