Alerta vermelho está ligado no PSG e franceses poupam Neymar

Yahoo Esportes
Neymar durante o empate do PSG contra o Napoli (Matteo Ciambelli/NurPhoto via Getty Images)
Neymar durante o empate do PSG contra o Napoli (Matteo Ciambelli/NurPhoto via Getty Images)

Por Isabela Pagliari (@isabelapagliari)

A dura imprensa francesa, acostumada a pegar no pé de Neymar pela vida social agitada e por passar longe de demonstrar grande identificação com o Paris Saint-Germain, sabe separar o comportamento fora de campo das avaliações dentro dele. E no empate por 1 a 1 diante do Napoli, na Itália, o camisa 10 foi apontado de maneira unânime como o melhor do time, com uma menção honrosa ao goleiro Buffon. O cenário de elogios ao brasileiro virou recorrente por aqui em Paris. Muito embora a realidade do clube seja a mais delicada desde a sua chegada: o risco real de vexame de eliminação na fase de grupos da Liga dos Campeões.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

Para que se tenha uma ideia, o tradicional veículo francês L’Équipe debateu em seu programa esportivo na televisão se a exibição na Itália foi a melhor de Neymar com a camisa do PSG. A versão do jornal impresso, chamou a atuação no primeiro tempo de “recital”.

Capa do L’Equipe após o empate do PSG com destaque para Neymar (Reprodução)
Capa do L’Equipe após o empate do PSG com destaque para Neymar (Reprodução)

Realmente, Neymar teve nos primeiros 45 minutos grande sucesso. Superou os confrontos de mano a mano, e como um armador consolidado na versão PSG-Tuchel, criou 4 boas chances para o time. A jogada do gol também começou com um belo lançamento para Mbappé . O francês, mesmo sendo o responsável pela assistência para o gol de Bernat, levou a nota 5 do L’Équipe. “Não fez a diferença no mano a mano contra Koulibaly”, justificou o jornal.

A discussão em Paris nesta quarta-feira foi em torno do isolamento de Neymar. O L’Équipe fez uma arte para mostrar que na zona de meio-campo foi comum o camisa 10 receber a bola sem a proximidade de outros jogadores do PSG. O “Le Parisien” foi pelo mesmo caminho, citando que a solidão de Neymar só não é notada por conta de sua genialidade. Comentários esses também frequentes em programas de rádio e televisão.

“O gênio do primeiro tempo acabou caindo no limbo do isolamento no segundo tempo. Menos inspirado, solitário demais para querer fazer a diferença”, foi o comentário na rádio France Bleu.

Imagem destacada pela imprensa francesa das tentativas de Neymar (Reprodução)
Imagem destacada pela imprensa francesa das tentativas de Neymar (Reprodução)

A sina e dificuldade na Champions

Para Neymar e o PSG, o alerta vermelho está ligado. É a cor do Liverpool, time que se o PSG não vencer no dia 28 de novembro, no Parque dos Príncipes, estará na dependência de combinações difíceis de resultados para evitar o vexame de queda na primeira fase da Liga dos Campeões.

Quem diria que na penúltima rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões o time de estrelas do Paris-Saint Germain correria o risco de ficar fora das oitavas de final.

A situação do PSG é mais delicada do que parece. Em caso de eliminação, a temporada pode ser decretada como terminada (sim, o campeonato francês é encarado como obrigação) já que o projeto bilionário é dedicado à conquista inédita da Liga dos Campeões.

Após um ano da chegada do Qatar no PSG (2011), o clube é figura certa nas oitavas de final da Liga dos Campeões (6 anos consecutivos na fase de mata-matas, com a melhor campanha sendo as quartas de final em três edições.

Desde que Neymar, e Mbappé chegaram, as goleadas contra os modestos Celtic, Estrela Vermelha, Anderlech, por exemplo, despertam euforia nos amantes do futebol. Só que contra os gigantes, o PSG decepciona. Você pode até procurar, mas não ira achar um jogo referência!

Mas e os 3 a 0 contra o Bayern de Munique no Parque dos Príncipes no ano passado? Pode ser considerado uma exceção, mas o fato é que a maioria do elenco do time do então treinador Carlo Ancelloti queria o derrubar.

Fora isso, vamos contar. A derrota de 3 a 1 para o Bayern de Munique, na Alemanha. Duas para o Real Madrid, nas oitavas de final – 3 a 1 e 2 a 1 – e para o Liverpool, por 3 a 2, na Inglaterra, nesta edição da Liga dos Campeões. Se colocarmos os dois empates para o Napoli nesse bolo, o PSG totaliza 7 jogos contra times grandes, com 1 vitória, 2 empates, e 3 derrotas. Aproveitamento de apenas 23%.

Para esta temporada, acredito que falta elenco no PSG. Vítima do Fair Play financeiro, o Paris Saint-Germain não conseguiu contratar na última janela – ameaça é de punição da UEFA em caso de gastos superiores à arrecadação -. Faltou um volante (Thiago Mota se aposentou), faltou um lateral esquerdo de nível A. Bernat foi contratado às pressas por falta de opção no mercado. Enquanto o PSG sonhava com Kante, a Roma comprava do Sevilla, o volante N’Zonzi, campeão do Mundo com a França, por 27 milhões de euros. Aqui, lembro que o PSG pagou 35 milhões de euros ao Schalke 04 pelo zagueiro alemão Thilo Kehrer.

Para se ter noção da deficiência do elenco do PSG, vamos retroceder exatamente um ano. Unai Emery olhava para o banco do PSG e lá estavam: Kevin Trapp, Kimpembé, Di Maria, Meunier, Berchiche, Lo Celso e Pastore. Isso sem falar que o brasileiro Lucas Moura não era relacionado por opção técnica.

Já Thomas Tuchel, acostumado a trabalhar com jovens, tem à disposição vários deles, como Diaby, Nsoki, Nkunku. Na partida contra o Napoli, a opção do técnico foi a de fortalecer o banco com as presenças de Rabiot, Cavani e Kimpembe – além de mudanças por opções táticas -.

Em suma, Neymar e Mbappé dificilmente vão conseguir sucesso na Liga dos Campeões sem um grande elenco. Na França, comenta-se que Barcelona, Real Madrid, Juventus, Liverpool e Manchester City são mais completos.

Só que o difícil ainda está longe de ser impossível. Vencer o Liverpool e o Estrela Vermelha parece algo simples para quem tem Neymar em grande fase e com sede de classificação.

“Nosso time veio aqui (Nápoles) para vencer. Não temos que pensar no empate, somente na vitória. Eu não estou satisfeito, vou para casa chateado, bem irritado. Agora vamos nos preparar para duas finais”, avisou o camisa 10.

Leia mais:
– Jovem do interior de SP tenta deslanchar no PSV
– Goulart visita Palmeiras e negocia para ficar no clube
– Fifa pode mudar regra para cobrança de pênalti

Leia também