Alerj desiste de mudar nome do Maracanã para Rei Pelé

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* Rio de Janeiro, RJ. 27/07/2017. Estadio do Maracana no Rio de Janeiro. ( Foto: Lalo de Almeida/ Folhapress )
*ARQUIVO* Rio de Janeiro, RJ. 27/07/2017. Estadio do Maracana no Rio de Janeiro. ( Foto: Lalo de Almeida/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Recentemente aprovado pela Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), o projeto de lei que alterava o nome do Maracanã de estádio Jornalista Mário Filho para Edson Arantes do Nascimento - Rei Pelé deverá ser vetado a pedido da própria Casa, que desistiu da emenda antes de ela ser sancionada. 

>> Ouça o 'Segunda Bola', o podcast do Yahoo com Alexandre Praetzel e Jorge Nicola

A proposta já está no gabinete do governador Cláudio Castro (PSC). No mês passado, o Ministério Público do Rio de Janeiro recomendou vetar o projeto, sob a justificativa de que tal mudança violaria o patrimônio imaterial dos torcedores e que o nome Maracanã "integra a identidade cultural carioca". 

Leia também:

Nesta terça (6), ao anunciar a desistência da emenda, o autor da proposta, deputado André Ceciliano (PT), também presidente da Alerj, usou o trecho de uma música de Raul Seixas para justificar o pedido de veto ao próprio projeto: "eu prefiro ser essa metamorfose ambulante", declarou. 

Quando defendia a troca, Ceciliano argumentava que "o Brasil, em geral, só reconhece seus ídolos depois que eles morrem. Mas esse reconhecimento em vida ao rei Pelé, um dos brasileiros mais reconhecidos e admirados do planeta, é uma demonstração que o nosso país é tão generoso quanto grandioso." 

Também assinaram o projeto de lei os deputados: Bebeto (Podemos), Marcio Pacheco (PSC), Eurico Junior (PV), Coronel Salema (PSD) e Alexandre Knoploch (PSL). 

De acordo com o texto, as placas com o novo nome do estádio deveriam mencionar o milésimo gol de Pelé, comemorado no estádio em 1969. 

A intenção dos políticos do Rio de Janeiro, no entanto, poderia esbarrar no primeiro artigo da lei federal 6.454/77, que não permite dar o nome de pessoas vivas a bens públicos. 

Nascido em Recife (PE), Mário Rodrigues Filho foi irmão do dramaturgo e escritor Nelson Rodrigues e proprietário do Jornal dos Sports, onde liderou a campanha pela construção do Maracanã. 

Com sua campanha, ele convenceu os cariocas sobre a construção do estádio no terreno do antigo Derby Club, no bairro do Maracanã, zona norte do Rio. 

Inaugurado em 16 de junho de 1950, o Maracanã recebeu jogos da Copa do Mundo daquele ano e de 2014, além de eventos da Olimpíada de 2016.