Alemanha vive momento de tensão causado pelas restrições da Covid-19

·1 minuto de leitura
A polícia constrói um cordão de isolamento enquanto as pessoas participam de uma manifestação contra as restrições ao coronavírus Covid-19 na Alexanderplatz de Berlim em 25 de outubro de 2020.
A polícia constrói um cordão de isolamento enquanto as pessoas participam de uma manifestação contra as restrições ao coronavírus Covid-19 na Alexanderplatz de Berlim em 25 de outubro de 2020.

Centenas de policiais interviram para dispersar neste domingo (25), em Berlim, uma manifestação contra as restrições impostas para conter a covid-19, na qual um projétil foi disparado contra o edifício do órgão encarregado pela luta contra a pandemia.

Cerca de 2.000 pessoas se concentraram nesta tarde na capital alemã, em uma manifestação convocada pelo principal movimento de oposição às medidas restritivas colocadas em prática para frear o avanço da pandemia.

A polícia proibiu o início da manifestação do movimento "Querdenker" ("pensadores laterais" ou "inconformistas"), que se opõe ao uso da máscara, do distanciamento social e outras restrições adotadas pelas autoridades alemãs.

Apesar da proibição, os manifestantes iniciaram a marcha e as forças de segurança interviram para dispersá-los e para efetuar controles de identidade.

O protesto aconteceu em meio à realização da Cúpula Mundial de Saúde, iniciada em Berlim na noite de domingo, e que é dedicada ao debate das medidas para conter a propagação da covid-19.

Alguns manifestantes entraram no edifício do Instituto Robert Koch, encarregado do controle da pandemia na Alemanha, e lançaram um projétil incendiário contra a sede deste órgão.

Os incidentes refletem a tensão social que vive o país, onde no domingo foram registados mais de 10 mil casos positivos diários de covid-19.

ylf/eb/eg/gf/am