Alemanha: Flick se irrita com Schweinsteiger após eliminação da Copa do Mundo

Hansi Flick, técnico da Alemanha, se irritou durante entrevista após eliminação da Alemanha. (Photo by Stefan Matzke - sampics/Corbis via Getty Images)
Hansi Flick, técnico da Alemanha, se irritou durante entrevista após eliminação da Alemanha. (Photo by Stefan Matzke - sampics/Corbis via Getty Images)

A eliminação da Alemanha na fase de grupos da Copa do Mundo ainda é assunto na imprensa europeia. Pela segunda edição seguida os tetracampeões deixam o Mundial na primeira fase. E após a vitória contra a Costa Rica, por 4 a 2, que sacramentou a eliminação dos alemães, o técnico Hansi Flick se irritou com um ídolo do país.

O treinador alemão concedeu entrevista para o canal de televisão ARD. Um dos comentaristas contratados para essa Copa do Mundo é Bastian Schweinsteiger, campeão mundial com a Alemanha em 2014. Em um diálogo mediado pela apresentadora do canal, Flick se incomodou com o ex-volante.

Leia também:

"Schweinsteiger disse que tinha a sensação de que as outras equipes estavam sempre em chamas [falta de raça] a mais do que a seleção alemã. Você concorda com ele?" - pergunta a apresentadora.

"Não. Isso é um absurdo absoluto. Em que isso se baseia? - responde Flick, que estava entre a apresentadora e Schweinsteiger, visivelmente incomodado com o questionamento de que o time não mostrou vontade em campo.

Percebendo a irritação do treinador, o comentarista explica o motivo da frase citada pela apresentadora. "Existem situações no campo em que os jogadores não têm concentração de 5% se você olhar para o 1 a 1. Queimar não significa apenas atacar sempre, mas também estar concentrado no jogo. Muitas vezes deixamos os adversários livres, principalmente nossos zagueiros. Eu esperava muito mais do que isso. Isso é o que quero dizer com queimar. Já vi isso muito mais claramente em outro jogos", disse o ex-volante.

Flick resolve evitar o confronto e dá uma resposta genérica. "Tentamos fazer melhor na segunda parte. Também sabíamos que a Costa Rica é muito perigosa nas bolas paradas. Essas são coisas que podemos fazer melhor. Não temos chance de fazer melhor na Copa do Mundo. Então vamos para casa agora, também desempenhamos um papel importante em nos ajudar a voltar para casa", finalizou o treinador.