Alemão Schürrle, campeão mundial em 2014, anuncia aposentadoria aos 29 anos

·2 minuto de leitura
Andre Schürrle chuta a bola no dia 15 de outubro de 2013 em uma partida das eliminatórias para a Copa do Mundo contra a Suécia, em Solna

O atacante alemão Andre Schürrle, tetracampeão mundial com a seleção de seu país na Copa do Mundo de 2014 no Brasil, anunciou nesta sexta-feira sua aposentadoria aos 29 anos, e disse ser uma decisão que vinha sendo "amadurecida há muito tempo".

Na quarta-feira, o jogador e seu clube, o Borussia Dortmund, encerraram amigavelmente o contrato que os vinculava por mais um ano.

"No mundo dos negócios, você sempre deve desempenhar um certo papel para sobreviver, correndo o risco de perder o emprego sem encontrar outro", disse Schürrle à revista alemã Der Spiegel, onde analisou sua carreira.

"A única coisa que conta é o desempenho em campo", acrescenta. "Não há espaço para nenhum momento de fragilidade e fraqueza", disse ele.

Embora "as pessoas geralmente esperem que um jogador se aposente aos trinta e poucos anos", Schürrle observou que chegou a hora para ele: "Não preciso mais de aplausos".

O jogador marcou os dois últimos gols da seleção alemã na goleada histórica de 7 a 1 contra o Brasil pelas semifinais da Copa de 2014.

Além disso, Schürrle deu o passe decisivo para Maro Götze, que fez o gol da vitória da Alemanha sobre a Argentina por 1 a 0 na final, que garantiu o tetracampeonato.

O atacante, que disputou 57 jogos pela Alemanha e marcou 22 gols com a camisa da 'Mannschaft', disse que o Mundial de 2014 é "a melhor lembrança" de sua vida.

"Foi um sopro de oxigênio no momento sombrio que vivi quando estava no Chelsea", lembra o jogador, que se sentiu "no fundo do poço" em seus dois anos em Stamford Bridge, sob o comando de José Mourinho, de 2013 a 2015.

"Eu não queria mais jogar futebol, estava completamente acabado", revela.

Após essa etapa, ele retornou à Alemanha, primeiro ao Wolfsburg e depois se juntou ao Borussia Dortmund em 2016.

Na equipe amarela, Schürrle nunca conseguiu brilhar, enfrentando uma série de lesões, a ponto de ser transferido para o inglês Fulham em 2018-2019 e depois para o Spartak Moscou na temporada que acabou de terminar e que foi sua última.