Alcance dos Jogos Paralímpicos será "incrível", afirma presidente do CPI

·2 minuto de leitura
(Arquivo) O presidente do Comitê Paralímpico Internacional, o brasileiro Andrew Parsons, em 10 de novembro de 2017

Organizar os Jogos Paralímpicos sem a presença de torcedores será um "desafio", afirmou nesta quarta-feira (18) o presidente do Comitê Paralímpico Internacional (CPI), o brasileiro Andrew Parsons, que se mostrou seguro de que o "alcance dos Jogos será incrível".

Os Jogos Paralímpicos de Tóquio (24 de agosto-5 de setembro) acontecerão a portas fechadas, assim como os Jogos Olímpicos, anunciaram os organizadores na segunda-feira, devido à situação sanitária no Japão.

Atualmente, o país enfrenta a quinta e pior onda de infecções por coronavírus desde o início da pandemia: pela primeira vez o Japão superou a marca de 20.000 casos diários a nível nacional.

A decisão de proibir a presença do público - com exceção de alguns alunos de escolas locais que serão autorizados terá "um impacto que não podemos minimizar", disse Parsons em uma entrevista à AFP, mas ele acredita que a transmissão pela televisão para todo o mundo permitirá destacar os Jogos Paralímpicos.

"Com certeza, o fato de não termos espectadores nos locais de competição é um desafio, mas acreditamos que podemos alcançar mais de quatro bilhões de espectadores", declarou.

"Sempre pensamos que o alcance dos Jogos será incrível. Chegaremos a mais países e a mais pessoas do que nunca", disse o presidente do CPI.

O governo japonês garante que os Jogos Paralímpicos poderão ser celebrados de maneira segura e reiterou o compromisso de organizar o evento.

Assim como aconteceu nos Jogos Olímpicos, os 4.400 atletas dos Jogos Paralímpicos terão que passar por exames diários de covid-19 e terão os deslocamentos controlados.

Os organizadores dos Jogos Olímpicos informaram um balanço de 544 casos positivos entre atletas, integrantes das delegações e profissionais dos meios de comunicação, a maioria deles entre pessoas com base no Japão, e destacaram que não é possível relacionar os casos com infecções da população japonesa.

"A lição principal (dos Jogos Olímpicos) é que podemos organizar os Jogos de maneira segura", declarou Parsons, que deseja "proteger a sociedade japonesa e também nossos atletas. É por isso que não vamos baixar a guarda".

Os organizadores dos Jogos Paralímpicos já registraram 58 casos positivos de coronavírus e informaram a detenção de um judoca georgiano suspeito de agredir um funcionário da segurança do hotel em que estava hospedado.

Andrew Parsons garante que os Jogos Paralímpicos não "propagarão o vírus" e serão beneficiados inclusive por uma "onda positiva", como nos Jogos Olímpicos, que atraíram a atenção de milhares de japoneses, apesar da forte oposição popular antes da cerimônia de abertura.

"Acredito que a população japonesa ficará orgulhosa, porque organizará um evento que vai mudar o mundo e verá a mesma onda positiva".

"Estes Jogos serão os Jogos Paralímpicos mais importantes já organizados", concluiu o presidente do movimento paralímpico.

amk/mac/jr/dlo/djm/gh/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos