Al Hilal x Espérance: quem será o adversário do Flamengo no Mundial?

O Flamengo estreia no Mundial em 17 de dezembro e a expectativa do torcedor é encarar o poderoso Liverpool na final do Mundial, claro. Mas quem são os rivais do time carioca até a decisão? Três dias antes de ir a campo, Al Hilal, da Arábia Saudita, e Espérance, da Tunísia, jogam por um lugar na semifinal contra os brasileiros. Quem são eles?

A controversa final africana

O Espérance volta ao Mundial com uma das mais bizarras histórias dos últimos tempos no futebol. Tudo porque o segundo jogo da final da Liga dos Campeões da África não terminou.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Na partida de ida, o time da Tunísia empatou com o Wydad Casablanca, no Marrocos, por 1 a 1, em jogo disputado em 24 de maio deste ano. Os marroquinos saíram de campo revoltados com a arbitragem, principalmente por um gol anulado no fim do primeiro tempo e um pênalti não marcado no início do segundo.

O clima esquentou para a segunda partida. A Confederação Africana suspendeu o árbitro Gehad Grisha, do Egito, e o Wydad Casablanca, inconformado, ameaçou boicotar o jogo de volta em meio a ameaças de torcedores do Espérance na internet. A partida acabou confirmada. Em campo, o time da Tunísia abriu o placar. Na volta do intervalo, os visitantes empataram. E aí começou a confusão.

Ingressos para o Mundial do Clubes no Catar: como comprar e preço em cada jogo

O assistente assinalou impedimento no lance, e o VAR não foi consultado porque a arbitragem alegou problemas técnicos. Depois de um bom tempo de debate e indignação, o Wydad Casablanca resolveu deixar o campo. 

O time marroquino afirma que não foi comunicado das falhas do equipamento, mas o árbitro Baraky Gassama diz que o fez. Ele ainda tentou retomar a partida, mas o time da Tunísia não voltou ao jogo, e o Espérance comemorou o título em meio ao abandono do rival, que foi aos tribunais, mas sem sucesso.

2019-06-05 Esperance
2019-06-05 Esperance

(Foto: Getty Images)

Foi o quarto título continental da equipe tunisiana, o terceiro nessa era do atual Mundial de Clubes. Em 2011, perdeu para o Al-Sadd, do Qatar, e depois também foi derrotado pelo Monterrey, do México, na disputa do quinto lugar; no ano passado, a derrota foi para o Al-Ain, dos Emirados Árabes, seguida de vitória nos pênaltis sobre o Chivas Guadalajara valendo o quinto posto. Ou seja: o time nunca chegou à semifinal contra sul-americanos ou europeus - poderia ter enfrentado Barcelona e River Plate.

O clube que está em ano de centenário sempre foi próximo do poder na Tunísia. Localmente, conquistou neste ano seu título nacional de número 29, mais que o dobro de taças dos concorrentes. Nesta temporada, o time está invicto na recém iniciada liga nacional, e antes do Mundial ainda faz os dois primeiros jogos da fase de grupos da Champions League africana.

A estreia do maior campeão saudita

O Al-Hilal, atual vice-campeão da Arábia Saudita, venceu no último fim de semana o Urawa Red Diamonds, do Japão, na final em dois jogos da Champions League da Ásia. Como visitante, fez 2 a 0 depois de ganhar a partida de ida em casa pelo placar mínimo.

É a terceira conquista continental, mas a primeira nesses tempos de Mundial de Clubes. Na Arábia Saudita, é o grande campeão nacional, com 15 conquistas e 13 vices, líder absoluto na tabela dos grandes vencedores. E se um dia já teve Rivellino em seu elenco, o clube mantém o espaço das estrelas estrangeiras com uma famosa dupla europeia.

Giovinco, italiano de 32 anos, chegou ao clube depois de algumas temporadas nos Estados Unidos. Ele esteve na Eurocopa de 2012 e na Copa das Confederações de 2013 como jogador da Juventus. Já o francês Gomis, 34, artilheiro do time, vive seu segundo ano de clube depois de jogar na França, Inglaterra e Turquia. Pela seleção, esteve na Euro de 2008.

O time também tem duas ligações com o atual Flamengo. O volante Cuéllar, que deixou o Rubro-Negro há alguns meses, é titular do meio-campo, ainda que não tenha jogado a Champions League por chegar depois do prazo de inscrições. Já o técnico Jorge Jesus passou sete meses no clube e ganhou a Supercopa Saudita do ano passado.

O Al-Hilal é o atual líder do campeonato saudita, e o brasileiro Carlos Eduardo, que jogou por Fluminense e Grêmio Prudente antes de sair do país em 2011, é o atual goleador da liga.

A próxima Champions League asiática começa em janeiro.

Leia também