Além dos gols: Gabriel recebe a 9, mas pode atuar como 'coringa' no Flamengo

Nathália Almeida
90min

Ao conceder a camisa 9 para Gabigol na apresentação oficial, ficou claro que a busca incessante do Flamengo pelo jogador teve uma motivação: encontrar um centroavante inquestionável, com status de afirmação bem distinto em relação a ​Henrique Dourado e Fernando Uribe. No entanto, a contratação do ex-Santos pelo clube da Gávea significa bem mais do que a garantia de um 'fazedor de gols'.


Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Já segue a gente no Instagram? Clique aqui e venha para a Casa dos Torcedores!

​​Como destaca o ​Lance!, é claro que o camisa 9 se sente mais à vontade atuando na referência ofensiva, centralizado. Mas versatilidade é uma qualidade de Gabigol, característica que o próprio destacou em sua primeira entrevista coletiva como rubro-negro. Por já ter atuado em quase todas as funções do sistema ofensivo, traz essa polivalência ao treinador Abel Braga.


Em variados momentos de 2018, Gabigol atuou pelos lados do campo (especialmente caindo pela direita) e até como articulador no meio, por vezes funcionando como um verdadeiro camisa 10, número que usava na Vila Belmiro. Mas foi como centroavante, sob comando de Cuca, que o jovem de 22 anos decolou na temporada, terminando o Brasileirão com 18 gols e status de artilheiro absoluto.


Para as pontas, Abel Braga conta com Berrío, Vitinho e Éverton Ribeiro, posição que ainda pode ganhar novo reforço, ​caso Bruno Henrique seja contratado. Para a referência ofensiva, Fernando Uribe, Henrique Dourado e Lincoln. Apesar da concorrência ser grande em qualquer setor, uma coisa é certa: Gabigol chega à Gávea para ser titular.

Leia também