Agredida em protesto, artesã busca recomeçar vida profissional

Eloisa abriu vaquinha online para conseguir arcar com custos de seu novo projeto. Foto: Reprodução
Eloisa abriu vaquinha online para conseguir arcar com custos de seu novo projeto. Foto: Reprodução

Em abril deste ano, a vida da artesã Eloisa Araújo mudou para sempre. Ela ficou conhecida após ter sido cercada, imobilizada e agredida por três homens durante uma manifestação que acontecia avenida Paulista, em São Paulo.

Ao passar por um protesto a favor da operação Lava Jato, ela comentou com um amigo que a acompanhava que discordava do que estava sendo falado no ato. Os manifestantes ouviram o comentário e foram para cima da mulher, que passava pelo local apenas por fazer suas vendas na região.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Uma foto do momento da agressão foi feita. Depois disso, a rotina de Eloisa mudou da água para o vinho: ela mudou a cor do cabelo, parou de frequentar a região e não anda sozinha pelas ruas.

Leia também:

Porém, conforme o tempo foi passando, a situação financeira de Eloisa foi ficando cada vez mais difícil. “Minha vida mudou completamente. A situação está próxima de um desastre. Aquela agressão mudou tudo. Tem lugares que não frequento mais. Pessoas me reconhecem na rua e reagem das mais diversas formas”, explicou ao Yahoo.

A cena também deixou marcas psicológicas na vida da artesã. “Aquele dia fatídico ficou marcado pra mim como o dia em que meu rosto foi parar no Fantástico e eu nem sabia como. Eu não me sentia e nem me sinto bem com toda a ‘fama’ que aquilo me trouxe. Eu tenho medo e nojo daquela foto”, afirmou.

Segundo Eloisa, as dificuldades começaram a aumentar quando ela passou a ter vagas de emprego negadas por conta da imagem. Segundo ela, aquela foto marcou sua vida e acabou gerando uma instabilidade e insegurança imensa em sua rotina.

“Perdi vagas de emprego e cheguei ouvir que a empresa não concorda com ‘aquele meu tipo de comportamento agressivo’. Eu só preciso ter um novo trabalho fixo, em que eu consiga me manter e sair dessa dificuldade. Não tenho medo daqueles monstros, tenho medo de não conseguir sair do buraco em que eles me colocaram”, afirmou.

Sendo assim, uma amiga de Eloisa sugeriu que ela passasse a vender doces para tentar se manter financeiramente. Porém, como a jovem não tem o dinheiro inicial para começar seu novo negócio, ela decidiu fazer uma vaquinha online para comprar os ingredientes das receitas que irá fazer.

“Como não tenho mais saídas, optei por aceitar a ideia. Se eu conseguir o dinheiro, vou comprar os materiais e ingredientes necessários para fazer bolos de pote, trufas, palhas italianas e cannolis”, afirmou.

Para acessar a vaquinha online, clique aqui.

Leia também