“Não adianta ter posse de bola e não ganhar”, reclama Renan Ribeiro

Virou rotina o técnico Rogério Ceni enaltecer as estatísticas da equipe do São Paulo logo após os jogos, em suas entrevistas coletivas. Não foi diferente neste domingo. Mas, depois da segunda eliminação do Tricolor em menos de uma semana, primeiro na Copa do Brasil e depois no Campeonato Paulista, os números já não parecem mais tão interessantes, pelo menos na visão dos próprios jogadores. Renan Ribeiro deixou essa preocupação bem clara depois do empate em 1 a 1 com o Corinthians, em Itaquera.

“É triste, porque a gente acaba saindo dessas competições importantes, o São Paulo tem que brigar por títulos, sabemos que temos o problema na bola parada. A gente sempre consegue impor nosso ritmo, mas temos que rever. Não adianta termos posse de bola e não ganharmos os jogos”, avisou o goleiro, que se tornou o titular depois da lesão de Sidão e das falhas de Denis.

“Procurei aproveitar da melhor maneira possível essa oportunidade, creio que venho evoluindo e, pode ter certeza, que vou estra trabalhando cada dia mais forte para ajudar o São Paulo”, completou o jogador.

A declaração de Renan Ribeiro não é exatamente uma surpresa. Em fevereiro, o capitão Maicon comentou, em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva, que o São Paulo teria de mudar seu estilo de jogo para os confrontos de mata-mata. Em 2016, o mesmo zagueiro chamou a atenção ao se revoltar com uma sequência de tropeços do time, apesar da ampla superioridade nas estatísticas finais dos jogos. “Prefiro jogar mal e ganhar”, afirmou Maicon, na ocasião.

Até mesmo o meia Thomaz, recém contratado pelo São Paulo a pedido de Rogério Ceni, se mostrou incomodado com o fato da equipe não conseguir impedir os insucessos nas competições mesmo diante de uma vantagem clara nos quesitos segmentados das partidas.

“Tivemos mais posse de bola, mais finalização, mais escanteio e perdemos por um pouco de falta de atenção. Agora, vamos ter tempo para treinar, corrigir e chegar forte no Brasileiro”, analisou o jogador, abatido com a queda no Estadual para o arquirrival.

Depois de perder no Morumbi por 2 a 0, o São Paulo não conseguiu reverter o placar fora de casa nas semifinais do Paulistão. O time de Rogério Ceni teve mais posse de bola (55% a 45%), finalizou mais (12 a 6) e cruzou mais (42 a 10). O problema é que o Corinthians soube controlar a partida e usar o regulamento a seu favor. Assim como o Cruzeiro fez quarta-feira, no Mineirão. A Raposa até perdeu por 2 a 1, mas também havia vencido no Morumbi pelos mesmos 2 a 0 e avançou na Copa do Brasil.