No adeus de Falcão, Corinthians se segura na prorrogação e é campeão paulista

Gazeta Press

O Corinthians conseguiu mais um título da Liga Paulista de Futsal, o 12º da sua história, em uma noite memorável nesta quinta-feira, no Parque São Jorge. Depois de perder por 5 a 3 no tempo normal, em grande exibição do ala Leandro Lino pela equipe do Magnus, de Sorocaba, o Timão aproveitou-se do regulamento, segurou o empate por 0 a 0 na prorrogação e conseguiu a conquista na última partida oficial do craque Falcão como jogador de futsal.

Antes de a bola rolar, sob muitos aplausos, Falcão ainda foi homenageado, recebendo uma placar comemorativa e vestindo a camisa do Corinthians, clube onde começou sua carreira.

“Quando cheguei no Corinthians em 1992, eu era um menino. Comecei aqui, pegando ônibus, metrô. Meu primeiro título foi uma Liga Paulista com o Corinthians. Nesses 20 anos como adversário, todas as vezes que eu vim aqui, fui muito respeitado. O Corinthians faz parte da minha carreira. Obrigado a todos”, disse Falcão, emocionado.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Partida atrasa mais de uma hora

O início do jogo foi cheio de confusão e demorou para de fato começar. Logo no primeiro minuto após o apito inicial, a partida foi paralisada depois de polêmica envolvendo a bola do duelo. Por ser nos seus domínios, o Corinthians não quis jogar com a bola na cor verde (bola oficial, utilizada durante toda a competição) e recebeu uma laranja.

No entanto, o fato gerou problema por dois motivos: primeiro, os jogadores reclamaram que a cor laranja é parecida com o uniforme do Sorocaba e que isso estava confundindo os jogadores. O Timão então sugeriu usar a bola do ano passado, o que não foi aceito pelos visitantes, que alegaram terem treinado com a bola deste ano.

Além disso, no segundo minuto de jogo, um dos árbitros sentiu dores no joelho direito, foi atendido e precisou deixar a quadra. No entanto, não havia um terceiro árbitro para substituí-lo. E a solução foi esperar por um novo árbitro, que estava na região do Centro de São Paulo, para apitar a partida. No total, a partida atrasou quase 1h30 para começar.

Bola rola e Leandro Lino sobra

Depois de toda a confusão, a bola enfim rolou no Parque São Jorge. E o jogo começou igualmente agitado. Com quatro minutos, Leandro Lino apareceu para tocar de cabeça, enganar Obina e abrir o placar para o Sorocaba. No entanto, não deu nem tempo de a torcida do Timão lamentar, já que logo na sequência, Caio soltou uma bomba de pé direito, a bola bateu na trave e entrou para deixar tudo igual.

Dois minutos depois, porém, veio o balde de água fria nas arquibancadas do Ginásio Wlamir Marques. Rodrigo meteu mais uma bomba para incendiar e desempatar o jogo. rAos sete minutos, Falcão entrou em quadra. E como o craque que é, não poderia ficar de fora da festa. O camisa 12 tabelou com Rodrigo e bateu alto para anotar o terceiro do Sorocaba.

Na sequência, porém, o jogo ficou morno. O resultado ia levando a decisão para a prorrogação e o Corinthians não conseguia sequer finalizar no gol do Sorocaba para tentar arrancar o empate, que lhe garantiria o título. O quarto gol dos visitantes parecia mais perto do que o segundo dos mandantes. E foi exatamente o que aconteceu.

Faltando dois minutos para o fim do primeiro tempo, Éder Lima acertou um chutaço no ângulo para ampliar para o Sorocaba e levar o placar de 4 a 1 para o intervalo.

Corinthians encosta, mas jogo vai para a prorrogação

O jogo caiu de intensidade no segundo tempo, com o Sorocaba controlando a posse de bola e deixando o Corinthians longe do seu gol. Para piorar a situação dos alvinegros, que viram o time do interior perder pelo menos duas chances claras de ampliar, o quinto veio quando Tiago acionou Marcel no contra-ataque, o canhoto deu para Lino e o craque, com muita categoria, limpou Obina e tocou para o gol vazio.

A vantagem maior foi a senha para André Bié, técnico corintiano, começasse a utilizar o goleiro-linha. Apostando em reter mais a posse de bola, sem ir com tudo para cima, talvez preocupado em não desgastar a sua equipe. Ainda assim, conseguiu diminuir com um gol de Vander Carioca, aproveitando chute cruzado de Wilde.

O Timão seguiu em cima do adversário, rodando bastante a bola e fez mais um quando Douglas Nunes partiu para a jogada individual, passou pela marcação e tocou para o meio da área, onde Wilde fez o terceiro. A reação, no entanto, parou por aí, deixando a decisão para a prorrogação.

Lino tenta, mas não consegue tirar título do Timão

No tempo-extra, o Sorocaba preferiu guardar o seu goleiro-linha e apostou em um jogo de 4 x 4. A intensidade, no entanto, caiu muito. Visivelmente cansados, os sorocabanos caíram várias vezes reclamando de câimbra, sem repetir a marcação sufocante da primeira etapa. Os alvinegros se aproveitaram disso e não deixaram o rival chegar perto do gol de Obina.

Com ambos os times estourados no limite de faltas, o Timão teve um momento chave aos 3:36: Éder Lima perdeu a bola, fez falta e concedeu o tiro livre para o time da casa. De quebra, ainda foi expulso pela arbitragem ao tomar o segundo amarelo. Na cobrança, porém, bela defesa do goleiro e tensão mantida.

Os anfitriões ainda viram Leandro Lino salvar bola espetacularmente, em cima da linha, em chute do goleiro Obina. Sem gols, no entanto, a tensão pairou no ar até o último ataque dos visitantes. Em linda troca de passes, Rodrigo tinha Marcel livre na segunda trave, mas tentou o chute, foi abafado por Nenê e viu o título ficar com os corintianos.

 

 

Leia também