Adaptação: Botafogo ainda busca seu melhor rendimento com os dois meias

Felippe Rocha e Vinícius Britto
Do 4-3-1-2 para o 4-2-3-1: Camilo e Montillo ainda buscam se entender no meio-campo do Glorioso. Jair vê time encaixando e explica opção por atuar com o camisa 10 pela direita

Volta do Estádio Nilton Santos, disputa da Copa Libertadores... o ano de 2017 reservou ao Botafogo novidades. E dentro de campo elas se fazem presentes também. Além da chegada de oito atletas ao elenco - em meio a saída também de tantos outros - a principal mudança observada na equipe se dá dentro de campo. Mais precisamente, no esquema tática adotado por Jair Ventura.

Com a chegada de Montillo - principal e mais badalado reforço do time para a temporada - o comandante alvinegro decidiu adotar uma nova formação. Para conseguir conciliar a dupla composta pelo argentino e Camilo - um destaque técnico da equipe em 2016 - Jair abriu mão do esquema de três volantes que fora muito utilizado pelo Botafogo - até com Ricardo Gomes - no ano passado.

Nas alterações, Bruno Silva se juntou à Airton como volante - atuava aberto pela direita anteriormente, fazendo o corredor - e Camilo caiu para o lado, com Rodrigo Pimpão dando profundidade pela esquerda. Montillo, assim, transita com maior liberdade pelo meio. Foi em uma jogada desta que o argentino quase marcou seu primeiro gol oficial no Botafogo, com Martin Silva salvando.

- Estou satisfeito, mas isso pode sempre melhorar. A excelência não existe. Mas você busca. Eu substituí o Camilo porque no outro jogo eu tirei o Montillo. É uma formação mais ofensiva. Abdicamos de um volante agora para ficar mais ofensivo. Acho que, com essa formação, estamos encaixando. Fizemos um bom clássico. O Camilo está muito confortável, gostando de jogar. Teve a chance, está chegando na área. A gente vem criando, estamos no caminho - analisou o técnico do Botafogo na entrevista coletiva depois do empate com o Vasco.

O entrosamento, como o próprio Jair disse, vem com o tempo. Por enquanto, os dois participaram apenas de dois tentos da equipe no ano: o primeiro foi no cruzamento de Camilo para o gol de Marcelo, contra o Nova Iguaçu, na segunda rodada da Taça Guanabara. O outro foi na finalização de Montillo, que resultou no gol contra do Colo-Colo no jogo de ida, no Nilton Santos.

A expectativa do botafoguense é de que as duas principais referências técnicas do elenco logo se entendam. Quem sabe no clássico desta quinta-feira, contra o Fluminense, na casa alvinegra, pela terceira rodada da Taça Rio. À conferir.

MONTILLO E CAMILO JUNTOS:

Botafogo 2 x 1 Colo-Colo = 76 minutos juntos em campo.
Botafogo 1 x 0 Olimpia = 13 minutos juntos em campo.
​Botafogo 1 x 0 Volta Redonda = 90 minutos juntos em campo.
Botafogo 2 x 1 Estudiantes = 68 minutos juntos em campo.
Botafogo 0 x 0 Vasco = 73 minutos juntos em campo.
















E MAIS: