AD10S | A extraordinária carreira de Maradona em imagens

Antonio Mota
·5 minuto de leitura

O mundo do futebol foi pego de surpresa e tomou um duro golpe no início da tarde última quarta-feira (25): Don Diego Armando Maradona sofreu uma parada cardiorrespiratória e não resistiu. Aos 60 anos, o gênio argentino da camisa 10 deixou milhares de fãs e ‘não-fãs’ do esporte com o coração partido e se foi, mas sua imagem nunca será esquecida.

A seguir, confira o imenso e extraordinário legado deixado por um dos melhores jogadores de todos os tempos.

Argentinos Juniors (1981-82)

O início da trajetória da lenda Maradona. | AFP/Getty Images
O início da trajetória da lenda Maradona. | AFP/Getty Images

Maradona nasceu no dia 30 de outubro de 1960 e viveu sua infância em Villa Fiorito, bairro muito humilde da periferia de Buenos Aires, na Argentina. Lá, ele teve os seus primeiros contatos com a bola e chamou atenção de Francis Cornejo, olheiro que o levou para o Argentinos Juniors.

“Ele fez maravilhas com a bola, coisas que eu nunca vi. ‘Ele é um anão’, pensei. Ele não poderia ter apenas 8 anos”, comentou Cornejo sobre o pequeno Dieguito.

Já no Juniors, Maradona cresceu, decolou e com apenas 15 anos, no dia 20 de outubro de 1976, iniciou sua carreira no profissional. Por lá, ele disputou 166 partidas e marcou 116 gols. Em 1981, foi para o Boca Juniors.

Boca Juniors (1981-82)

Maradona e seu clube do coração. | DIARIO POPULAR/Getty Images
Maradona e seu clube do coração. | DIARIO POPULAR/Getty Images

Em baixa na Argentina, o Boca Juniors resolveu investir em Maradona e em 1981 o contratou junto ao Argentinos Juniors. Uma das melhores escolhas da história do clube. Lá, o pequeno hermano disputou 40 partidas, marcou 28 tentos e foi determinante para o time erguer o troféu da Liga Nacional.

Resultado: Diego Armando Maradona iniciou sua imortalidade no clube.

Barcelona (1982-84)

Maradona deu os primeiros passos na Europa no Barcelona. | VI-Images/Getty Images
Maradona deu os primeiros passos na Europa no Barcelona. | VI-Images/Getty Images

Observando o talento de Maradona, o Barcelona não perdeu tempo e em 1982 desembolsou 8 milhões de dólares para tirá-lo do Boca Juniors – maior transferência da época. Já no Camp Nou, o camisa 10 conquistou uma Copa do Rei, uma Copa da Liga Espanhola e uma Supercopa da Espanha. Porém, se envolveu em muitas confusões e acabou não rendendo o esperado.

Napoli (1984-92)

Maradona e a explosão na Itália. | Alessandro Sabattini/Getty Images
Maradona e a explosão na Itália. | Alessandro Sabattini/Getty Images

O seu verdadeiro lugar no Velho Continente: a Napoli. Recepcionado por mais de 70 mil pessoas no San Paolo, no dia 5 de julho de 1984, Maradona se reencontrou e foi o grande personagem para o clube italiano entrar forte na briga contra Juventus de Platini e Milan.

Lá, o gênio argentino conquistou duas Série A, uma Copa da Itália, uma Supercopa da Itália e ainda uma Liga Europa. E certamente mudou o futebol do país.

Copa do Mundo (1986)

Dieguito conquistou o mundo em 1986. | STAFF/Getty Images
Dieguito conquistou o mundo em 1986. | STAFF/Getty Images

Maradona participou da Copa do Mundo de 1982, mas foi na de 1986 que ele explodiu e conquistou o planeta bola. Inclusive, foi nessa edição do maior torneio de seleções do globo terrestre que ele eternizou a “Mão de Deus” e também fez o gol mais bonito da história da competição.

Cabe notar também o peso histórico e simbólico da vitória da Argentina para cima da Inglaterra. Maradona, com a mão divina e tudo, se eternizou e elevou a moral de sua país.

E mais: a Argentina conquistou aquela Copa, o que tornou tudo ainda maior e mais significativo. Os hermanos saudavam um novo deus.

O Deus Maradona na Napoli (1989)

O Deus Maradona encontrou sua segunda casa na Napoli. | Franco Origlia/Getty Images
O Deus Maradona encontrou sua segunda casa na Napoli. | Franco Origlia/Getty Images

A Napoli estava muito feliz com os títulos conquistados nacionalmente com Maradona, mas o camisa 10 queria mais e foi atrás. Focado, o craque argentino conseguiu uma Europa League para os italianos. Ele mudou o time de patamar – a cereja do bolo.

Copa do Mundo (1990)

Voa, Dieguito! | Getty Images/Getty Images
Voa, Dieguito! | Getty Images/Getty Images

Após conquistar o mundo em 1986, Maradona queria repetir a dose em 1990, mas, infelizmente para ele e para os argentinos, isso não foi possível. A Seleção Argentina, mesmo com o apoio dos napoletanos e anfritriões, ficou com o vice e a Alemanha comemorou mais um troféu mundial.

Sevilla (1992-93)

Maradona realmente não teve sucesso na La Liga. | Shaun Botterill/Getty Images
Maradona realmente não teve sucesso na La Liga. | Shaun Botterill/Getty Images

Após destaque na Napoli, Maradona foi para o Sevilla e tentou ter sucesso na La Liga. Bom, ele não conseguiu, mas isso não muda sua história. Gênio!

Newell's Old Boys (1993-94)

Maradona encantou por onde passou na Argentina. | Luciano Bisbal/Getty Images
Maradona encantou por onde passou na Argentina. | Luciano Bisbal/Getty Images

Volta para a América do Sul. Após anos e mais anos na Europa, Dieguito assinou com o Newell's Old Boys e voltou para a Argentina. Em seu novo clube, porém, ele fez apenas 5 jogos – o que foi mais do que o suficiente para ele penetrar os corações rubro-negros.

Copa do Mundo (1994)

Maradona se despediu das Copas do Mundo em 1994. | Alessandro Sabattini/Getty Images
Maradona se despediu das Copas do Mundo em 1994. | Alessandro Sabattini/Getty Images

Maradona chegou bem e cheio de holofotes à Copa do Mundo de 1994, mas foi pego no exame antidoping e se despediu de forma negativa da competição. Uma pena.

Boca Juniors (1995-97)

Maradona terminou sua carreira no time de seu coração. | DANIEL GARCIA/Getty Images
Maradona terminou sua carreira no time de seu coração. | DANIEL GARCIA/Getty Images

Embora tenha se despedido mal das Copas do Mundo, Maradona não fez o mesmo por clubes. Em 1995, o camisa 10 voltou ao Boca Juniors, disputou três temporadas e, mesmo não atuando com tanta frequência, “desceu as cortinas” como merecia: como um dos maiores de todos os tempos.

Viva, Diego Armando Maradona!