Acusações contra Daniel Alves também incluem estupro, diz imprensa espanhola

Daniel Alves foi preso preventivamente nesta sexta-feira, na Espanha (Josep LAGO/AFP)


Preso nesta sexta-feira na Espanha, Daniel Alves foi acusado de agressão sexual por uma mulher, no dia 30 de dezembro do ano passado. Contudo, de acordo com veículos relevantes no país europeu, como os jornais "El País" e "El Periódico de Catalunya", a suposta vítima também teria sido estuprada pelo jogador na boate em Barcelona.

Relatos detalham que Daniel teria pegado a mão da vítima e colocado em seu pênis. Os jornais também afirmam que o jogador levou a jovem de 23 anos a um banheiro da boate Sutton, não a deixou sair, e lá a teria estuprado.

+ Daniel Alves é preso pela Justiça da Espanha sem direito a fiança

Os conteúdos a seguir são delicados: ainda de acordo com o depoimento, Daniel Alves teria sentado no vaso sanitário, levantado o vestido da mulher e a estuprado. O jogador de 39 anos também teria jogado a vítima no chão e a forçado a fazer sexo oral nele. A mulher tentou resistir, mas em vão.

Após o crime, Daniel teria pedido a mulher para que esperasse ele sair do banheiro primeiro. Os veículos espanhóis também relataram que o exame feito pós-acusação - equivalente ao "corpo de delito" brasileiro - constataram lesões características de estupro. O jogador do Pumas-MEX foi preso preventivamente nesta sexta-feira durante o processo de depoimento sobre o caso.

+ Joana Sanz, esposa de Daniel Alves, posta foto em apoio ao jogador: 'Juntos'

Ao LANCE!, a assessoria de Daniel Alves negou as primeiras acusações, divulgadas no dia 31 de dezembro pelo jornal espanhol "ABC". Dias depois, o jogador foi ao programa "Y Ahora Sonsoles", no qual também negou o caso. No depoimento de defesa, nesta sexta, o atleta falou que a relação com a mulher foi "consensual". No entanto, há algumas semanas, ao "Antena 3", Daniel afirmou que não conhecia a vítima. A contradição, somada a elementos contundentes de que houve sexo não consentido - sendo um deles imagens da mulher abalada ao deixar o banheiro - foram decisivos para a prisão, de acordo com o "El País".

Procurado novamente, o estafe do jogador afirmou que Fransérgio, empresário do atleta, e o advogado do jogador embarcam hoje para a Espanha para entender o caso. Veja a nota abaixo:

"Daniel Alves estava no México e, por livre espontânea vontade, pediu liberação do Pumas e foi a Barcelona prestar esclarecimento sobre esta acusação que ele desde o início desmentiu, inclusive em entrevista ao Canal 3 de Barcelona. Na Espanha, quando você vai prestar depoimento, usa-se o termo "detido para esclarecimentos".

Ele foi por vontade própria e está esclarecendo os fatos para desmentir a acusação. Após o primeiro depoimento, ao qual ele compareceu sem advogado, foi chamado pela juíza. Após o segundo depoimento para a juíza, ela determinou a prisão preventiva. Não houve justificativa.

O empresário de Daniel Alves, Fransergio, está embarcando hoje a Barcelona para junto com o advogado entender o que houve e o porquê da prisão".