Aboubakar, salvador de Camarões, só é menos artilheiro que lendas do país

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Determinante para a seleção de Camarões manter a chance de se classificar para as oitavas de final da Copa no Qatar, o atacante Vincent Aboubakar, 30, é um dos maiores artilheiros da seleção africana.

O golaço marcado diante da Sérvia, que iniciou a reação camaronesa quando a equipe perdia por 3 a 1 -o jogo teminou 3 a 3-, foi o 34º de Aboubakar pela seleção.

O camisa 10 só fica atrás de dois atacantes que são considerados lendas na história do time: Samuel Eto'o (56 gols), que defendeu Camarões de 1997 a 2014, e Roger Milla (43 gols), que atuou de 1973 a 1994.

Milla é o jogador de linha (excluindo goleiros) mais velho a jogar em uma Copa do Mundo. Obteve o feito no Mundial de 1994, nos EUA, com 42 anos e 39 dias.

No jogo contra a Sérvia no estádio Al Janoub, em Al Wakrah, Aboubakar, que entrou aos 10min do segundo tempo, quando Camarões perdia por 3 a 1, não só marcou um lindo gol, encobrindo o goleiro Milinkovic-Savic, como deu passe preciso para Choupo-Moting dar números finais ao duelo.

Até o início da Copa qatariana, Aboubakar era não só titular como capitão da seleção camaronesa, e esperava-se que ele liderasse o time em campo.

O treinador Rigobert Song, entretanto, relegou-o à reserva, preferindo Choupo-Moting, 33, destaque do Bayern de Munique, como centroavante titular.

Aboubakar, que começou no Valenciennes, da França, e teve passagem destacada no Porto (Portugal) de 2015 a 2018, atuou também no Besiktas (Turquia) e está atualmente fora de uma grande vitrine do futebol. Joga pelo Al Nasr, da Arábia Saudita.

Pela seleção de seu país, o maior feito é a conquista da Copa Africana de Nações de 2017, no Gabão.

Na decisão, Aboubakar, que entrou no intervalo, marcou aos 43min o gol que deu a vitória por 2 a 1 sobre o Egito e o quinto título do torneio para Camarões.